Presidente da OAB defende operação da Polícia Federal contra ex-presidente Lula

'As normas devem ser cumpridas por qualquer pessoa. Nenhum cidadão brasileiro deve estar isento de responder pelos seus atos se cometeu algum ato ilícito', afirmou

Por O Dia

São Paulo - O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, defendeu nesta sexta-feira, a nova fase da Operação Lava Jato, que tem como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para ele, não há "problema algum" na condução coercitiva do petista para depor.

LEIA TAMBÉM: Presidente do PT convoca reunião de emergência

Imprensa internacional repercute operação da Lava Jato contra Lula 

Receita mobiliza mais de 40 auditores para fase que investiga Lula

Oposição avalia que 'governo acabou' e quer convocar Lula para depor na Câmara

Manifestantes pró e contra Lula brigam em frente a casa de ex-presidente

Lula presta depoimento à PF em Congonhas em nova fase da Lava Jato

Presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)%2C Claudio LamachiaDivulgação

"Nós vivemos num Estado Democrático de Direito e as nossas normas devem ser cumpridas por qualquer pessoa. Nenhum cidadão brasileiro deve estar isento de responder pelos seus atos se cometeu algum ato ilícito", disse. Lamachia deu as declarações ao chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF), onde protocolou um pedido para ter acesso à delação premiada do senador Delcídio Amaral (PT-MS).

Para o presidente da OAB, se ficar comprovado que a presidente Dilma Rousseff atuou no Judiciário para interferir na Lava Jato, a Ordem poderá entrar com um novo pedido de impeachment contra a petista. "É realmente gravíssimo tudo isso que está acontecendo. Se confirmados esses fatos, nós estamos diante de um atentado às nossas instituições", disse.

Ex-líder do governo, Delcídio fez acordo com Procuradoria-Geral da República. A delação do petista ainda tem de ser homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e é mantida em segredo de Justiça.

Últimas de Brasil