Reserva lança camiseta apoiando Moro R$ 140 mais barata a dois dias de protesto

Estampa partidária dividiu a opinião dos internautas e causou polêmica

Por O Dia

Rio - A Reserva, marca de roupas do apresentador Luciano Huck, mais uma vez se vê no olho do furacão. Na manhã desta sexta-feira, a grife lançou uma camiseta cuja estampa apoia o juiz federal Sérgio Moro — que comanda o julgamento dos crimes na Operação Lava Jato — e causou polêmica na Internet. 

Reserva lança camiseta partidária dois dias antes dos protestos convocados em todas as capitais federaisReprodução Internet

O lançamento se dá dois dias antes da manifestação pró-impeachment, neste domingo, e um dia após o Ministério Público de São Paulo pedir a prisão preventiva do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, investigado na Lava Jato. Uma camisa da grife custa R$ 179. No entanto, apenas a estampa favorável a Moro custa R$ 40 até domingo — dia dos protestos convocados em todas as capitais federais.

Na página da empresa, vários internautas atacaram o posicionamento da marca e acusaram a Reserva de incitar o público contra o governo. "Ridículo, menos um cliente! E apoiando alguém que deveria ser imparcial e está sendo totalmente parcial e partidário!", disse um usuário na página oficial da marca. "Péssima jogada entrar nessa discussão política, nesse momento, dessa forma. Já não tinha uma imagem boa enquanto marca, agora é que não compro nunca mais mesmo. Oportunismo desenfreado e muito deselegante".

Internautas reagiram à lançamento de estampa partidária e marca respondeu Reprodução Internet

Já outro usuário acusou a marca de só querer lucrar nas piores situações  "Custou aparecer uma marca Brasileira que me fez mudar de ideia sobre as marcas importadas,mesmo tendo um preço muita exagerado em algumas peças ainda sim me mantinha fiel pq acreditava que era inovadores,mas uma vez estava enganado, vcs são como os outros só pensam no Dinheiro e surfa na moda do quando pior melhor (SIC)".

A Reserva foi procurada para comentar o fato mas, até às 15h40, ainda não havia respondido à reportagem. 

Últimas de Brasil