Por felipe.martins

Rio - O temporal que atingiu o Estado de São Paulo entre a noite de quinta-feira e a madrugada de sexta-feira deixou ao menos 18 pessoas mortas. Seis ainda continuavam desaparecidas ontem à noite. À tarde, o governo paulista havia informado que o número de mortos era de 21. À noite, a Defesa Civil reviu os números e confirmou a morte de 18 pessoas vítimas das chuvas.

Na região metropolitana, o Aeroporto Internacional de Guarulhos ficou fechado por seis horas, estações da CPTM alagaram, deixando passageiros ilhados, e os rios Pinheiros e Tietê transbordaram. Houve ainda quedas de barreira em rodovias.

Os rios Pinheiros e Tietê transbordaram%2C estações de trens ficaram alagadas e o aeroporto de Guarulhos fechou Divulgação

Das 18 mortes, 16 são em cidades da chamada Grande São Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, oito pessoas morreram em Francisco Morato, quatro em Mairiporã e duas em Itapevi. Todas foram vítimas de soterramento. Outras duas morreram afogadas: uma em Guarulhos e outra em Cajamar.

No interior, duas pessoas morreram por afogamento em Itatiba, região de Campinas. Um homem foi levado pela enxurrada, e outro foi encontrado dentro de um bar alagado. Segundo a Defesa Civil, no início da noite ontem havia 925 desabrigados e 632 desalojados.

O temporal deixou São Paulo e cidades vizinhas debaixo d’águaagência estado

Em pouco mais de um dia, de quinta para esta sexta, choveu 40% do esperado para o mês na capital paulista, informou o Centro de Gerenciamento de Emergências (AGE).

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), cancelou todos os compromissos e visitou as áreas atingidas. À tarde, o governo do Estado anunciou a liberação de uma verba de R$ 680 mil para cidades castigadas pelas chuvas.

Você pode gostar