Manifestantes já iniciam passeata contra Dilma em diversas cidades

Cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pará, Minas Gerais, Alagoas, Maranhão, Bahia e Pernambuco realizam protestos pedindo a saída de Dilma e demonstrando apoio ao juiz Sérgio Moro

Por O Dia

Brasília - Por volta das 10 horas deste domingo, algumas capitais do País já reuniam nas ruas pessoas que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e o fim da corrupção. A previsão de integrantes dos movimentos que organizam os protestos, dentre eles o Movimento Brasil Livre (MBL), é que mais de 500 cidades tenham atos com essas bandeiras.

Em Brasília, na Esplanada dos Ministérios, os quatro carros de som também já estavam posicionados. Os carros iriam percorrer a Esplanada até o Congresso Nacional. O efetivo da Polícia Militar estava mobilizado para acompanhar a manifestação.

Movimentos sociais pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff montaram, sob tendas, duas lojinhas diante do Congresso Nacional. As "butiques do impeachment" vendem camisetas com fotos de personagens como o juiz federal Sérgio Moro e até do deputado federal de direita Jair Bolsonaro (PSC-RJ). As camisas são vendidas a R$ 30 (uma) ou R$ 50 (duas). Em duas horas, entre 20 e 30 camisetas foram vendidas numa das lojas.

Mesmo tendo sido citado em investigações da Operação Lava Jato%2C senador Aécio Neves é carregado por manifestantes%2C em Belo HorizonteReprodução Facebook

Mas as maiores atrações entre os "souvenirs" são os bonecos infláveis "Pixuleco", em alusão ao ex-presidente Lula, e "Bandilma", com a presidente Dilma com a camisa listrada de presidiário. Na segunda "loja" em frente ao Congresso, máscaras do juiz Sérgio Moro são distribuídas gratuitamente, assim como imitações de cédulas de R$ 50 e R$ 100 com as fotos de Dilma e Lula. Um dos vendedores diz que a procura por artigos contra o governo "explodiu" depois que Lula foi depor na Polícia Federal, em Congonhas.

Em Salvador, ss manifestações pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff, e em defesa da Operação Lava Jato, iniciaram com uma grande carreata formada em sua maioria por veículos do tipo jipe. Bandeiras do Brasil tremulavam nas janelas dos carros, que promoviam ainda um buzinaço. Os carros percorreram a orla de Salvador em direção ao Farol da Barra, local da concentração dos manifestantes.

Em Minas Gerais, os manifestantes começam a chegar à Praça da Liberdade, para os atos contra o governo de Dilma Rousseff, organizados pelos movimentos Vem Pra Rua e Patriotas. O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), deverá chegar à praça por volta das 11 horas. Segundo nota divulgada nesta manhã por sua assessoria, após ir às ruas de Belo Horizonte, Aécio Neves segue para São Paulo, onde as manifestações ocorrem na Avenida Paulista, por volta das 15 horas.

Um caminhão de som foi colocado no entorno da praça para discursos e um palco foi armado para a apresentação de bandas de rock e MPB. Os manifestantes usam, além de camisas da seleção brasileira, máscaras do juiz Sérgio Moro. Há muitas faixas de apoio à Polícia Federal, pela operação Lava Jato e montagem de fotos do ex-presidente Lula em uma prisão. No período da tarde está previsto mais uma manifestação, denominada "Vaza Dilma", marcada para a Praça da Estação, também na Região Centro-Sul da capital.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) participa das manifestações contra a presidente Dilma Rousseff em Brasília, neste domingo. Ele caminha entre os manifestantes, que estão concentrados na Esplanada dos Ministérios. Entre gritos de "fora PT!", ele afirmou que veio como "cidadão" e disse que o ato demonstra a "insatisfação" do povo com o governo.

"Essa é uma manifestação popular de que o povo não aguenta mais", comentou Bolsonaro. O deputado disse não acreditar que a presidente irá renunciar, mas defendeu o afastamento de Dilma. "Temos que tirá-la através do processo de impeachment ou do Tribunal Superior Eleitoral (STE). O prazo final para ela sair é 2018, só não sei se o Brasil vai aguentar até lá", completou.

Cerca de 2,5 mil pessoas, segundo a Política Militar e organizadores, se reúnem na Avenida Litorânea, em São Luís, por volta das 10h30 deste domingo, para pedir mais uma vez o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Participam do evento integrantes do PSDB, como o deputado federal João Castelo. O vice-governador Carlos Brandão se mantém alheio a discussão para evitar conflito com o governador Flávio Dino (PCdoB), um dos maiores defensores do governo petista.

Em Belém, a PM contabiliza cerca de 10 mil manifestantes. Eles se concentram na Escadinha da Estação das Docas. Imagens da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula são alvos de protestos. Oito trio elétricos estão espalhados na Avenida Presidente Vargas e vão acompanhar a caminhada.

Os manifestantes em Maceió começam a se concentrar no corredor Vera Arruda, área nobre da cidade. Um boneco com o rosto do ex-presidente Lula simbolizando uma jararaca é uma das atrações do evento, que conta ainda com segurança particular. A Polícia Militar de Alagoas acompanha a manifestação com 350 homens, divididos em grupos a pé, em viaturas e cavalaria. Dois helicópteros também são usados.

Últimas de Brasil