Governo insiste na posse de Lula

Dilma diz que nomeação é um ato privativo da Presidência

Por O Dia

Rio - O governo enviou nesta terça-feira ao STF manifestação sobre ações que questionam a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil. Uma liminar de Gilmar Mendes suspendeu a nomeação por entender o convite como uma forma de conceder a Lula um salvo-conduto, que permitisse a ele obter o foro privilegiado e sair da esfera do juiz Sérgio Moro.

O Planalto argumenta que não houve intenção de favorecer Lula. Segundo o documento, isso seria interpretar, de modo equivocado, que o Supremo seria menos eficaz do que o juiz Sérgio Moro. Segundo o governo, o diálogo entre Lula e Dilma sobre o envio do termo de posse tratou de trâmites burocráticos e que de nada adiantaria ele estar com o documento. Por isso, não houve favorecimento.

O Planalto afirmou que a nomeação tem interesse público e se deu em razão da “larguíssima experiência” de Lula, que terá o desafio de “reorganizar a articulação política” do governo.

Últimas de Brasil