Ex-amante de FHC depõe na Polícia Federal

Jornalista Mirian Dutra prestou depoimento durante cinco horas

Por O Dia

Rio - A jornalista Mirian Dutra, ex-amante do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nos anos 90, prestou nesta quinta-feira depoimento à Polícia Federal durante cinco horas. Em fevereiro, a PF abriu um inquérito para investigar as declarações dadas por Mirian de que a Brasif S.A. Importação e Exportação ajudou FHC a enviar recursos para ela no exterior.

O dinheiro, US$ 3 mil (cerca de R$ 11 mil) mensais, era destinado a ela e ao filho Tomás Dutra, tratado como filho pelo por FHC. Ele manteve um relacionamento extraconjugal com Mirian nos anos 1980 e 1990. 

Mirian Dutra Schmidt Reprodução / Facebook

Ela chegou por volta das 14h para depor em investigação sobre suposta evasão de divisas do ex-presidente tucano para pagamento de pensão, por meio da empresa Brasif S.A. Exportação e Importação. A jornalista estava acompanhada de seu advogado José Diogo Bastos. Mirian saiu por volta das 20h sem falar com a imprensa. O inquérito na Polícia Federal foi aberto no dia 26 de fevereiro. O objetivo da PF é apurar as declarações de Mirian ao jornal Folha de S.Paulo e verificar se houve mesmo evasão de divisas.

Segundo ela, a Brasif foi o canal usado por FHC para enviar dinheiro ao exterior, por meio da assinatura de um contrato fictício de trabalho, assinado em dezembro de 2002 e com validade até dezembro de 2006.

A empresa nega que tenha feito a contratação a pedido de FHC. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 19 de março, o ex-presidente afirmou que nunca remeteu divisa por meio da Brasif e que considera "bom" o andamento do inquérito. "Eu acho bom (a investigação), para acabar com as suspeitas que foram lançadas por uma única pessoa, sem nenhum documento, nem nada".

Últimas de Brasil