Cunha ameaça abrir nove pedidos de impeachment

Comissão da Câmara deve aprovar nesta segunda-feira afastamento de Dilma

Por O Dia

Brasília -  O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta sexta-feira que será obrigado acatar outros nove pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff caso seja mantida a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, que determinou a abertura de processo para afastamento do vice-presidente Michel Temer.

Discussão do relatório de Jovair Arantes iria entrar pela madrugadaAgência Brasil

Cunha classificou a decisão como absurda e disse esperar que o Supremo julgue o recurso da Câmara contra a determinação já na próxima semana para evitar instabilidade. Segundo ele, os nove pedidos pendentes na Casa cumprem todos os requisitos para aceitação.

O vice-líder do governo, deputado Silvio Costa (PTdoB-PE), admitiu nesta sexta´feira que o impeachment da presidente Dilma será aprovado na comissão especial da Câmara daqui a dois dias. Segundo ele, haverá entre 29 e 31 votos contra o afastamento da presidente. Ou seja, menos da metade dos integrantes da comissão, que tem 65 deputados.

“Quando esta comissão começou, o governo tinha 20 votos. A votação aumentou e agora terá entre 29 e 31 votos. Mas o jogo não é aqui, é no plenário”, afirmou Costa. A declaração foi dada logo no início da sessão de ontem da comissão especial que discutiu o parecer do relator Jovair Arantes (PTB-GO), favorável ao impeachment da presidente. Costa criticou o relator e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “A maioria desta comissão tem o mau cheiro de Eduardo Cunha, foi idealizada na residência de Eduardo Cunha. Jovair é um preposto de Eduardo Cunha”, disse o vice-líder.

Pelos cálculos de Costa, o governo sairá vitorioso no plenário da Câmara. Para o impeachment ser aprovado, são necessários os votos de pelo menos 342 deputados. “A possibilidade de a oposição ganhar no plenário é a mesma de Aécio Neves (senador do PSDB-MG, candidato derrotado a presidente em 2014) ser eleito presidente da República: zero”, ironizou Costa.

Na sessão de ontem da comissão, deputados governistas saíram em defesa da presidente Dilma, enquanto parlamentares da oposição não pouparam ataques ao governo da petista. Por um acordo entre os líderes partidários, a fase de discussões deveria ser encerrada às 3h da madrugada sábado. No total, 116 deputados se inscreveram para falar. 

Últimas de Brasil