‘Muro do impeachment’ vira ponto de encontro em Brasília

Barreira recebeu críticas de grupos de manifestantes e do governo federal

Por O Dia

Rio - O muro metálico de dois metros de altura construído na Esplanada dos Ministérios para separar os protestos contra e pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff se transformou em ponto de encontro e até em área de lazer. A barreira gerou memes na internet e brincadeiras na vida real.

Uma das utilidades dadas ao muro foi transformá-lo em uma “rede” de voleibol. Há dois dias, um grupo de pessoas aproveitou para jogar uma partidinha amistosa de vôlei. A polícia chegou a acabou com a brincadeira em cinco minutos.

O muro foi construído pelo governo do Distrito Federal e tem 455 chapas de aço escoradas por hastes de ferroReprodução / Facebook

Dezenas de outras atividades — como pintura, estêncil, performances e colagens — também deveriam ocorrer em fragmentos da divisória, feita de 455 chapas de aço e escoradas por hastes de ferro. Mas a polícia não permitiu a presença dos manifestantes no gramado.

A solução foi usar um restinho de muro para realizar as intervenções. O grupo, que articulou o encontro pelas redes sociais, criou uma “ponte humana” para que as pessoas pudessem passar de um lado para outro.

Outra ideia é testar um telefone de lata, para ver se os grupos isolados conseguem, pelo menos, se comunicar. Foram instalados ainda balões, flores e cartazes.

Idealizado pelo governo do Distrito Federal, o muro dividiu opiniões e gerou até debates sobre eficácia e riscos para a segurança dos manifestantes. A estrutura de aço recebeu críticas tanto dos grupos de manifestantes, quanto do governo federal.

A divisão faz parte do megaesquema de segurança montado na Esplanada dos Ministérios, onde se concentrarão hoje milhares de manifestantes. Os pró-impeachment estarão do lado direito para acompanhar o processo em frente ao Congresso. Sobrou o lado esquerdo para os contrários à saída de Dilma. Cerca de 300 mil pessoas devem acompanhar a votação na Esplanada. Trezentos homens de unidades especializadas, 500 bombeiros e 50 agentes de trânsito também estarão na Esplanada.

Últimas de Brasil