Cunha chega ao Senado para entregar processo de impeachment de Dilma

Comissão especial terá prazo de 10 dias para concluir o trabalho e levar o relatório ao plenário da Casa

Por O Dia

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), chegou há pouco ao Senado para entregar ao presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), o parecer da Câmara sobre a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, aprovado neste domingo, à noite, pelos deputados. Cunha fará a entrega do documento, aprovado por 367 votos favoráveis. O presidente da Câmara não passou pela entrada onde os jornalistas estão concentrados. Os senadores Romero Jucá (PMDB-RR), Lindbergh Farias (PT-RJ) e Ana Amélia Lemos (PP-RS) também devem participar do encontro.

Pouco antes da chegada de Cunha, técnicos levaram pilhas de documentos do parecer em carrinhos. A partir de agora, cabe a Renan Calheiros ler a comunicação no plenário do Senado e determinar a instalação, em até 48 horas, da comissão especial que vai dar novo parecer sobre a admissibilidade do processo. A comissão terá prazo de 10 dias para concluir o trabalho e levar o relatório ao plenário da Casa. A leitura da comunicação está prevista para esta terça-feira.

Se a admissibilidade do impeachment for aprovada também pelos senadores, como foi pelos deputados, a presidenta será afastada por até 180 dias, enquanto o Senado analisa o processo em si, e define se Dilma terá o mandato cassado.

Saiba: Em reunião com ministros, Dilma se indigna com traições do PMDB

Pronunciamento de Dilma

Logo após a reunião com Cunha, Renan Calheiros segue para reunião com a presidenta Dilma Rousseff. Em seguida, ele se encontrará com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, com quem vai tratar de dúvidas sobre o rito do impeachment. Se o processo chegar ao final, caberá a Lewandowski conduzir a sessão de votação do impedimento da presidenta.

A presidente Dilma Rousseff (PT) deve fazer nesta segunda-feira, o primeiro pronunciamento após a derrota na admissibilidade do processo de impeachment na Câmara dos Deputados. Ele deve fazer uma breve fala acompanhada de ministros no Palácio do Planalto.

Dilma deve ter reuniões com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e em seguida se encontrar com Calheriros. Durante a manhã, a presidente se reuniu com 23 deputados que votaram contra o processo de impeachment, encontro que não foi informado na lista de compromissos.

Últimas de Brasil