Afastado, Cunha perderá salário, seguranças, carro e residência oficial

Ao ter o mandato suspenso, deputado deixa de receber salário de R$ 33 mil e terá 30 dias para deixar a residência oficial

Por O Dia

Brasília - Diante do ineditismo do afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados e das funções de parlamentar, a Direção Geral da Casa já discute a retirada de direitos e regalias do peemedebista, como uso de residência oficial, segurança da Polícia Legislativa, suspensão de pagamento para assessores e corte de salário.

LEIA TAMBÉM: Eduardo Cunha é afastado da Câmara

Maioria do STF aprova afastamento de Cunha

Cunha diz que vai recorrer de afastamento determinado por ministro do STF

"Tem coisas que aconteceram hoje que nunca aconteceram. Isso para nós é um fato novo, é uma situação inédita", resumiu o primeiro-secretário da Mesa Diretora, deputado Beto Mansur (PRB-SP), ainda sob efeito da surpresa do afastamento.

Supremo decidiu%2C por unanimidade%2C suspender o mandato do deputado Eduardo CunhaMarcelo Camargo / Agência Brasil

Técnicos da Casa disseram que, com Cunha afastado por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) a Câmara terá apenas 512 deputados, uma vez que seu suplente não poderia ser chamado para ocupar o mandato. Apesar de não poder exercer seus direitos parlamentares, o peemedebista continua com foro privilegiado.

Inicialmente, a direção da Câmara deve esperar a publicação da decisão do STF para retirar as facilidades do presidente agora afastado. Cunha deixará de receber o salário de R$ 33.763,00, não terá mais à sua disposição os policiais legislativos que fazem sua segurança, nem direito a carro oficial com motorista. Deve ser concedido um prazo de 30 dias para que o peemedebista deixe a confortável residência oficial em Brasília.

Últimas de Brasil