Alckmin diz que invasão de escola virou 'glamour'

Os estudantes reclamam, entre outras coisas, da falta de merenda nas escolas

Por O Dia

São Paulo - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) criticou a "glamourização" das invasões de escolas por estudantes no Estado de São Paulo. "Alguns ficam glamourizando esse tipo de coisa. É errado, é ilegal", afirmou durante inauguração de uma obra viária em São Roque, região de Sorocaba, nesta sexta-feira. Horas antes, a Tropa de Choque Polícia Militar havia feito a desocupação do prédio onde funciona o Centro Paula Souza, que administra as escolas técnicas do Estado, na Santa Ifigênia, em São Paulo.

Polícia Militar cumpriu o mandado de reintegração de posse do Centro Paula Souza ocupado por estudantes em São PauloFoto%3A Taba Benedicto/Parceiros/Agência O Dia

Os estudantes reclamam, entre outras coisas, da falta de merenda nas escolas - vários prédios escolares ainda estão ocupados. De acordo com o governador, não se pode glamourizar o que é criminoso. "Teve caso de estudante preso por estar furtando computador e fazendo vandalismo. Não é possível glamourizar isso " Durante a madrugada, a PM apreendeu equipamentos de informática com cinco garotos que saíram do Centro Paula Souza e eles foram detidos.

Alckmin voltou a dizer que o movimento é "nitidamente" político. "Poucos estudantes prejudicam 300 mil alunos das Etecs (Escolas Técnicas Estaduais). Temos 219 escolas técnicas e poucas não têm merenda. O que estranho é não ter invasão de escola federal, onde os estudantes pagam pela merenda." Segundo ele, as depredações serão apuradas e os autores responsabilizados.

Polícia Militar cumpriu o mandado de reintegração de posse do Centro Paula Souza ocupado por estudantes em São PauloFoto%3A Taba Benedicto/Parceiros/Agência O Dia

Sobre a invasão da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) por um grupo que reivindica a aprovação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as fraudes na merenda, o governador disse que as denúncias estão sendo apuradas. O Ministério Público de São Paulo investiga um esquema de superfaturamento de alimentos fornecidos à merenda escolar e pagamento de propina a agentes públicos. "Eu defendo a apuração com rigor e se comprovar desvio, tem que ser punido", disse Alckmin.

Após oito dias de ocupação estudantil em escolas técnicas de São Paulo, a polícia militar retirou à força os alunos. Eles também desocuparam a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). 

Os estudantes reagiram de forma organizada. Ficaram sentados no chão e muitos foram carregados pelos policiais. Os alunos reclamaram da pouca merenda escolar e pedem a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar desvios de recursos em contratos da merenda.

Muitos estudantes contaram que não têm dinheiro sequer para comprar a própria alimentação e que não sujeitariam seus pais a pagar a multa diária e individual de R$ 30 mil, caso continuassem ocupando a Alesp. Eles deixaram o prédio com cravos nas mãos.

Na escola técnica Paula Souza, a desocupação deixou rastro de sujeira e destruição, segundo professores. Os docentes acusam os estudantes de depredação do patrimônio e de furto de equipamentos do colégio.

Últimas de Brasil