Impeachment de Temer vai ser pedido por Waldir Maranhão

Presidente interino da Câmara disse a Cunha que lamentava seu impedimento, mas que 'ele teria que tocar o barco'

Por O Dia

Brasília -  O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), dará sequência ao processo de impeachment do vice-presidente Michel Temer. De acordo com sua assessoria, nesta sexta-feira, Maranhão vai ouvir todas as lideranças da Casa e criar um regime democrático de discursos. Nesta quinta-feira, ele ligou para o deputado Eduardo Cunha (PMD-RJ) e disse que lamentava a situação, do seu impedimento, mas que como estava na linha de sucessão, "ele teria que tocar o barco."

O vice-líder do governo Dilma Rousseff na Câmara, o deputado Silvio Costa (PTdoB-PE) afirmou que tem mantido contatos diretos com Maranhão que, nas conversas, “jurou de pé juntos que, diferente de Cunha, vai respeitar regimento e Constituição”.

“Estive com ele, que se comprometeu a encaminhar a todos os líderes partidários, nesta segunda-feira, o pedido para que indiquem os membros da comissão que analisará o pedido de impeachment de Temer. Ele garantiu que, caso os líderes não indiquem os membros, ele mesmo, enquanto presidente da Câmara, tem a prerrogativa regimental de indicá-los”.

Presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA) está agradando liderança do PT na CasaAntonio Augusto/ Câmara dos Deputados - 17.4.16

“Como Cunha havia engavetado, nós ficamos engessados. Como Waldir Maranhão disse que vai em frente, temos a expectativa de instalar a comissão do impeachment de Temer”, acrescentou Costa, destacando que Maranhão tem se mostrado aberto a avançar questões que eram do interesse do governo, "mas que vinham sendo engavetadas por Eduardo Cunha".

Silvio Costa disse ainda  que o governo federal vai participar da base de sustentação de Waldir Maranhão na presidência da Câmara dos Deputados. Segundo o vice-líder, ao defender a realização de eleições para decidir quem ocupará o posto a oposição está novamente desrespeitando a Constituição e o Regimento Interno da Câmara e, portanto, tentando “aplicar mais um golpe” no país.

“Quero, mais uma vez, lamentar essa porção irresponsável da oposição brasileira. Nesta sexta-feira, vi um documento assinado por líderes deles pedindo eleição para a presidência da Câmara. Não pode ter eleição, a menos que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renuncie ou que o conselho o casse, ou seja, em caso de vacância. Enquanto não decidir essa questão, o presidente de fato e de direito da Câmara é Waldir Maranhão, e nós vamos dar sustentação a ele”, afirmou nesta sexta-feira o vice-líder do governo.

Golpe

“Não adianta a oposição tentar tomar na mão grande, como tomaram o mandato da presidenta Dilma Rousseff. Não vão tomar o mandato de Waldir Maranhão, porque nós vamos proteger o regimento [da Câmara] e a Constituição Federal. Essa é uma oposição golpista, que deu o golpe em Dilma e agora quer dar em Waldir Maranhão”, acrescentou o deputado.

Outro aceno de Maranhão que agradou o vice-líder governista foi o de "desengavetar" uma petição da Advocacia-Geral da União (AGU) requerendo a anulação da sessão do dia 17 de abril, que resultou na autorização para que o processo de impeachment seja analisado pelo Senado Federal.

“Tenho em mãos um pedido da AGU que Cunha estava engavetando. Esse pedido tem substância jurídica e regimental para anular a sessão do impeachment. Waldir Maranhão disse claramente que analisará esse pedido. Ao analisar, se ele realmente seguir a Constituição e o regimento da Casa, não terá outro caminho a não ser anular aquela sessão, porque todos os motivos regimentais e constitucionais estão contidos aqui”, concluiu Silvio Costa.

Últimas de Brasil