'Confio que o País terá nova chance, mesmo não sendo com PSDB', diz Aécio

Para senador, Michel Temer não deve se preocupar com popularidade, mas em fazer um governo 'enxuto'

Por O Dia

Brasília - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nesta quarta-feira estar confiante de que a presidente Dilma Rousseff será afastada do cargo, argumentando que ela cometeu crime de responsabilidade. O parlamentar, que é presidente do PSDB, disse que o partido vai apoiar o governo Temer, mas dará liberdade para que ele formule a composição do novo governo.

"Estou muito confiante que o Brasil terá uma nova chance, mesmo que não seja com o PSDB", disse, ressaltando que, nos últimos 20 anos, o partido foi polo central de governo ou polo central da oposição. "Por uma conveniência, poderíamos continuar como estávamos e chegar a 2018 sem desgaste", afirmou. "Vamos apoiar Michel Temer."

Senador Aécio Neves (PSDB-MG) falou que seu partido vai apoiar o governo TemerDivulgação/ Agência Senado

Para Aécio, Temer não deve se preocupar com popularidade, mas sem com a reconstrução do País. "Ele deve fazer um governo enxuto. A contribuição do PSDB é deixar que ele monte com liberdade esse governo", afirmou.

Lula

O último senador a falar durante a sessão da manhã do Senado Federal para analisar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) foi o único senador a falar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a sessão. O senador atacou o presidente e afirmou que ele é o responsável pela situação atual do País e também não poupou a presidente Dilma Rousseff. "Dilma cometeu diversos crimes, não há o que se falar sobre a legalidade do processo", disse o senador.

Oliveira se posicionou a favor do impeachment e de um eventual governo do vice-presidente Michel Temer. Os cinco senadores que se pronunciaram na sessão dessa manhã se posicionaram a favor do impeachment.

Últimas de Brasil