'Faremos governo como diz o 'livrinho'', afirma Michel Temer em discurso

Presidente em exercício exaltou a Constituição e falou em bases parlamentares sólidas, para 'conversar com a sociedade' e em parcerias público-privadas para 'aquecer a economia'

Por O Dia

Brasília - Ao som de fogos de artifício, Michel Temer assinou, por volta das 17h30, o termo de posse para assumir a Presidência de forma interina no Palácio do Planalto. Ao redor, integrantes de seu ministério também assinaram o documento e aliados cumprimentaram o presidente em exercício. Adotando um discurso combativo, Temer disse ter convicção que o país vai sair da crise. "O povo brasileiro tem confiança. Na vitalidade da nossa democracia, na recuperação da economia nacional, no potencial do país, nas suas instituições sociais e políticos. Unidos, poderemos enfrentar os desafios e famos fazer como o livrinho", disse ele, se referindo à Constituição. 

"Quero cumprimentar todos os ministros empossados, os senhores governadores e parlamentares, familiares e amigos. Eu pretendia que esta cerimônia fosse extremamente sóbria e discreta, como convém ao momento em que vivemos. Mas percebi um entusiamo e sei que este entusiamo vem da convivência que todos temos ao longo do tempo. Ninguém tem as melhores receitas para as refomas que precisamos realizar. Precisamos trabalhar juntos", pontuou.

Temer durante assinatura de notificação de posse como presidente interino Reprodução

Temer defendeu as parcerias público-privadas como forma de geração de empregos e afirmou que vai manter os programas sociais instituídos por Dilma Rousseff. "O Estado não pode fazer de tudo. É preciso que haja a aplicação e consolidação de projetos. O Brasil lamentavelmente é um país pobre. Vamos manter os programas sociais como o Bolsa Família, o Pronatec, ProUni e o Minha Casa Minha Vida. Temos que prestigiar o que deu certo, mas com reformas". 

Temer fala com radialista pensando se tratar de presidente da Argentina

Em vídeo, Dilma pede mobilização e diz que jamais desistirá de lutar

'O golpe jurídico e político ameaça conquistas de 13 anos', diz Dilma em discurso 

"Há algumas matérias controvertidas como a reforma trabalhista e a previdenciária. O objetivo é pagar as aposentadorias e gerar empregos. Precisamos desses diálogos, de conversar com a sociedade. Governar em conjunto. O povo precisa acatar nossos esforços, que estarão centrados nas melhorias. Tomo a liberdade de dizer que a Lava Jato tornou-se referência", disse o presidente em exercício, que garantiu que a ação continuará.

Ele enfatizou a ideia de refazer os fundamentos da economia. "Estamos contendo gastos já com a extinção de alguns ministérios. Precisamos enxugar os gastos públicos, fazer a democracia de eficiência. Quem sofre as consequências da inflação é a classe trabalhadora. O mundo está de olho no Brasil e os investidores acompanham essas mudanças. Havendo condições adequadas, adotaremos políticas aquequadas para incentivar a indústria, comércio, serviço e agricultura. Da recuperação do prestígio do País dependerá o nosso crescimento".

Slogan do Governo Michel Temer Divulgação

O presidente em exercício também falou da importância dos Jogos Olímpicos e elogiou a presidente afastada Dilma. "Quero reiterar que, embora o momento seja difícil e ingrato, este é mais um desafio breve. Temos que olhar para frente, com olhos no presente e no futuro. Faço questão e espero que sirva de exemplo meu absoluto respeito institucional à presidenta Dilma Rousseff. Não quero discutir os motivos de seu afastamento. Devemos estar unidos, em equilíbrio com os brasileiros. Peço a Deus que nos capacite para estes desafios", finalizou.

A presidenta afastada Dilma Rousseff poderá ficar longe do cargo por até 180 dias. Ela foi afastada após decisão de 52 senadores a favor do processo de impeachment. Outros 22 senadores foram contrários à decisão. 

Últimas de Brasil