Luiza Brunet denuncia ex-companheiro por agressão: 'Doloroso me expor'

Ex-modelo levou soco, chutes e teve quatro costelas quebradas. Ela levou caso ao Ministério Público

Por O Dia

Rio - A atriz e ex-modelo Luiza Brunet acusou o ex-companheiro Lírio Albino Parisotto, de 62 anos, de agressão após o término de cinco anos de namoro. O desabafo foi feito em entrevista ao colunista Ancelmo Góis, do "O Globo." De acordo com Luiza, a violência ocorreu em Nova York no apartamento dele, na madrugada de 21 de maio. O caso foi levado ao Ministério Público de São Paulo. "Eu sempre tive uma família estruturada e sempre fui discreta em minha vida pessoal. É doloroso aos 54 anos ter que me expor dessa maneira", disse Luiza. 

Segundo Luiza, a agressão começou quando ela o convidou para uma exposição de fotos, durante um jantar com amigos, mas ele se "alterou" e disse que não queria mais ser confundido com seu ex-marido, como já havia ocorrido outras vezes.

Luiza Brunet e Lirio Parisotto terminaram relacionamento recentementeCaio Duran/AgNews

"Fui para Nova York acompanhá-lo para o evento Homem do Ano. Saímos do restaurante e pegamos um Uber. Ao chegar ao apartamento, ele me deixou dentro do carro e subiu", disse Luiza. Ela relatou ter levado um soco no olho e chutes. Luiza foi imobilizada e teve quatro costelas quebradas.

Escondida, ela deixou o apartamento no dia seguinte e voltou para o Brasil, onde fez um exame de corpo de delito no IML e prestou queixa ao MP.

Ela disse que tinha vergonha de falar sobre o caso, mas contou para dar força para muitas brasileiras que passam pelo mesmo. "Eu criei coragem, perdi o medo e a vergonha por causa da situação que nós, mulheres, vivemos no Brasil. É um desrespeito em relação à gente. O que mais nos inibe é a vergonha. Há mulheres com necessidade de ficar ao lado do agressor por questões econômicas, porque está acostumada ou mesmo por achar que a relação vai melhorar", afirmou Luiza.

No dia 8 de junho, ela publicou em seu Instagram a imagem de uma mulher com hematomas e incentivou as mulheres a denunciarem as agressões sofridas.

Últimas de Brasil