Lula lidera corrida eleitoral para 2018

Datafolha mostra que petista é o que tem mais votos no primeiro turno, mas não vence no segundo

Por O Dia

São Paulo - Se as eleições para a presidência do Brasil fossem hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seria o candidato mais votado, segundo as pesquisas de intenção de voto do Datafolha para o primeiro turno das urnas de 2018 divulgadas no fim de semana. Num cenário onde a disputa fica entre Lula, a ex-senadora, Marina Silva (Rede), e ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), o petista lidera com 23%, Marina fica em segundo com 17% e o tucano teria 11%.

No entanto, a pesquisa mostrou que, em um eventual segundo turno, o petista perderia em qualquer dos cenários apresentados. A maior derrota seria para Marina: ela teria 44% e ele, 32%. O Datafolha montou um cenário da disputa presidencial que incluía o juiz Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato. Neste caso, Lula ficaria com 22% dos votos, Marina com 14%, e o senador Aécio Neves (PSDB) e Moro com 10% cada.

Se por um lado seria o mais votado, Lula registrou ainda o maior índice de rejeição do levantamento com 46%. Atrás dele estão Aécio e o presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), ambos com 29%, Serra e Jair Bolsonaro (PSC) com 19% e Marina com 17%.

O candidato petista também teve o maior índice de rejeição com 46%Divulgação

O Datafolha também fez o primeiro levantamento para avaliar a opinião do povo brasileiro sobre o governo de Michel Temer. Dois meses após o peemedebista assumir o cargo, 42% dos entrevistados disseram que seu governo é regular. Para 31%, é ruim ou péssimo. Já 14% avaliaram como ótimo e bom e outros 13% não souberam responder.

Ainda assim, os números mostraram que os brasileiros preferem ser governados por Temer a terem a presidente afastada, Dilma Rousseff (PT), de volta. Segundo o Datafolha, 50% dos consultados preferem que Temer continue na Presidência da República até 2018. A volta de Dilma ao Palácio do Planalto foi a opção de 32% dos entrevistados. Os 18% restantes não escolheram nenhum dos dois, disseram não saber ou que preferiam novas eleições.

A população também está mais otimista em relação à situação financeira do país. A economia no governo Temer é vista positivamente, em comparação com a percepção relativa a fevereiro, quando Dilma Rousseff ainda não havia sido afastada. Houve aumento de 34 pontos na expectativa de avanço da situação econômica do país. Se, no segundo mês do ano, esse item obteve 78 pontos, agora chegou a 112 pontos.

A pesquisa foi realizada nos dias 14 e 15 de julho e entrevistou 2.792 pessoas em 171 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%.

Últimas de Brasil