Procuradoria denuncia Lula, Delcídio e mais cinco por obstrução à Justiça

Todos são acusados de "agirem irregularmente para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato"

Por O Dia

Brasília - O Ministério Público Federal (MPF) denunciou nesta quinta-feira à Justiça de Brasília o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcídio do Amaral, e mais cinco acusados (José Carlos Bumlai,o banqueiro André Santos Esteves, Diogo Ferreira Rodriguez, o advogado Edson Siqueira Ribeiro Filho e Maurício Barros Bumlai) por obstrução à Justiça. Eles são acusados de envolvimento numa trama para comprar a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

O caso já havia sido denunciado pelo Procurador Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, em dezembro do ano passado. No entanto, em decorrência da perda de foro privilegiado do ex-senador envolvido, Delcídio Amaral, e também pelo fato de o crime ter ocorrido em Brasília, a denúncia foi enviada à Justiça Federal do Distrito Federal. Com essa redistribuição, o MPF do DF foi acionado para se manifestar sobre a ação penal e concluiu pela confirmação integral da denúncia prévia do PGR.

Além de confirmar os elementos apresentados, o procurador da República Ivan Cláudio Marx faz acréscimos à peça inicial, com o objetivo de ampliar a descrição dos fatos e as provas que envolvem os acusados.

O procurador Ivan Cláudio Marx é o mesmo que, há uma semana, entendeu não haver crime comum nas pedaladas da equipe do governo Dilma Rousseff. Na ocasião, ele deu um parecer e mandou arquivar procedimento para apurar as manobras contábeis que foram um dos argumentos para embasar o processo de impeachment da petista que está em curso no Senado.

Ivan Cláudio reiterou a acusação de Rodrigo Janot contra o ex-presidente e outros investigados por tentar prejudicar a delação do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. A denúncia foi apresentada ao Supremo Tribunal Federal em dezembro do ano passado, mas como Delcídio teve o mandato cassado ela foi remetida para a primeira instância judicial.

Últimas de Brasil