Enem 2016 vai cobrar nova ortografia

Alunos terão que dominar as regras de acentuação e uso do hífen. Saiba quais são as dicas de especialistas

Por O Dia

Clara Rocha acredita que haja muitas dúvidas entre pré-vestibulandosDivulgação

Brasília - A palavra herói ainda tem acento, certo?! E infraestrutura perdeu mesmo o hífen?! Essas são algumas das inúmeras dúvidas que podem aparecer para o estudante que vai fazer o Enem este ano, nos dias 5 e 6 de novembro. Pela primeira vez, a prova irá cobrar o acordo ortográfico que entrou em vigor no país oficialmente em janeiro deste ano. Para responder às questões e escrever a redação com segurança, os estudantes devem dominar as novas regras.

Aluna do Curso Pré-Vestibular do Assis, em Niterói, Clara Rocha está tentando passar para Medicina e se preocupa com a exigência. “A gente foi alfabetizado de uma forma e agora tem que adotar outra. Sempre rola uma dúvida, e se eu escrevo errado vou acabar perdendo pontos que fazem diferença”, avaliou.

Ela e os amigos de turma disseram ainda que muitas vezes, quando não têm certeza sobre a escrita de uma palavra, acabam procurando um sinônimo ou até mudam a frase.

O novo acordo ortográfico, assinado em 1990 por países membros da Comunidade de Países da Língua Portuguesa, foi criado para colocar um padrão na escrita do idioma. Ele aboliu o trema, tirou o acento de algumas palavras, incluiu as letras K, W e Y no alfabeto brasileiro e modificou o uso do hífen.

O professor do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense (UFF) Maurício da Silva, no entanto, diz que não há motivos para pânico. Ele garante que as novas regras não são tão complicadas assim se o estudante entender como elas funcionam.

“Existem critérios para que essas modificações tenham sido feitas. A maior parte das mudanças foi em acentuação e no uso do hífen. Caíram todos os acentos das palavras paroxítonas terminadas em a; e; o; em. No caso do hífen, ele continua sendo usado em três casos: quando liga duas palavras simples para formar uma composta com um novo significado; quando a segunda palavra começa com a letra h; e quando a última letra da primeira palavra é igual a primeira letra da segunda palavra”, explicou o professor.

Nessa lógica, palavras como polo, pelo e creem perderam o acento. Já o termo lâmpada, que é proparoxítono, por exemplo, mantém o circunflexo.

Pós-doutora em Letras pela USP, Carolina Tomasi destaca que ler é o melhor caminho para assimilar a ortografia. “Sugiro que leiam bons romances, boas poesias, revistas. Leia. E leia muito. Na dúvida, não tenha medo, vá ao dicionário”, aconselhou.

O que mudou?

ALFABETO
De acordo com o novo acordo ortográfico, o alfabeto brasileiro agora tem mais três letras: K, W e Y.

ACENTUAÇÃO
AGUDO
Não existe mais nos ditongos (encontro de duas vogais na mesma sílaba) abertos ‘ei’ e ‘oi’das palavras paroxítonas.
Como era: jibóia / idéia / heróico / jóia
Como é agora: jiboia / ideia / heroico / joia

CIRCUNFLEXO
Não é mais usado em palavras terminadas em ‘oo’. Os verbos ler, crer, ver (e derivados), quando conjugados na terceira pessoa do plural, também perdem o acento.
Como era: vôo/ enjôo / crêem / dêem
Como é agora: voo / enjoo / creem / deem

DIFERENCIAL
Acentos que eram utilizados para diferenciar palavras que têm a mesma pronúncia não existem mais.
Como era: pára / pêlo / pólo
Como é agora: para / pelo / polo

HÍFEN
AINDA É USADO
Quando une duas palavras simples e forma uma composta com um novo sentido. Como é o caso de ‘segunda-feira’ e ‘ar-condicionado’. E quando a última letra da primeira palavra é igual a primeira letra da segunda palavra. Como em ‘anti-inflamatório’. O hífen também continua sendo empregado quando a segunda palavra começa com a letra ‘h’, como acontece em ‘anti-higiênico’ e em ‘super-herói’.

FOI EXTINTO
Quando o prefixo termina com vogal e a segunda palavra começa com R e S. Agora essas letras são dobradas. Exemplos: contrarreforma; antirrábico; antessala. E quando a primeira palavra termina com vogal e a segunda começa com vogal como ‘infraestrutura’ e ‘autoestrada’.

TREMA
O acento foi extinto do vocabulário português.
Como era: agüentar / cinqüenta / lingüiça / tranqüilo
Como é agora: aguentar / cinquenta / linguiça / tranquilo.

Últimas de Brasil