Coluna Esplanada: Raul Castro manda médicos voltarem a Cuba

Presidente deu prazo de novembro para que todos os profissionais do programa retornem para a ilha

Por O Dia

Brasília - Nem o governo cubano aposta na reversão do impeachment da presidente Dilma. Apesar de o Ministério da Saúde bancar que o ‘Mais Médicos’ será mantido, é o presidente Raul Castro quem não quer mais e avisará a OPAS. Deu prazo de novembro para que todos os profissionais do programa voltem para a ilha. Uma médica cubana no Entorno de Brasília afirma à Coluna ver a ordem como “arbitrária”, mas prepara as malas. O Governo petista mandou mais de R$ 4 bilhões para a ditadura Castro.

Na parede

A turma do PMDB palaciano acredita tanto no impeachment de Dilma Rousseff a ponto de encomendar orçamento para as centenas de molduras de foto oficial de Temer.

Não adiantou

Os banqueiros enterraram na Câmara a CPI do CARF, que será encerrada em breve, por acordão. Mas não conseguem comprar a Polícia Federal e a fila do indiciamento cresce.

Bucha

Um grupo de deputados usava o nome de Lulinha de bucha nos requerimentos nas sessões da CPI para evitar a convocação dos presidentes das instituições financeiras.

Prêmio

Swedenberger do Nascimento Barbosa, o Berger do Lula, e o ex-ministro Juca Ferreira (Cultura) estão entre os 27 premiados pelo Governo para receberem, por seis meses, salários de suas funções do Governo Dilma. Sem trabalho, por causa Quarentena.

Do seu, do nosso

Juca Ferreira incrementa a partir de hoje o grupo dos oito ex-ministros de Dilma que ficarão até dezembro ganhando salário de pés para cima. Serão mais de R$ 1,3 milhão para a patota, dos cofres públicos.

Dançou

Já a ex-deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), que exerceu alto cargo no Ministério da Defesa, dançou. A Comissão de Ética da Presidência proibiu sua Quarentena.

Palanqueiros, volver!

Michel Temer proibiu ministros de entrarem em campanhas nos seus estados. A filha do ministro da Saúde, Ricardo Barros, Maria Victória, é candidata a prefeita de Curitiba, onde ele bate ponto. A esposa de Barros, Cida Borghetti, é vice-governadora do Paraná.

Calma, gente

O presidente Temer deixou em situação delicada a escola bilíngue de seu filho ao buscar o herdeiro no primeiro dia de aula. Os telefones congestionaram no dia seguinte. Uma atendente ouviu repetidas vezes a palavra “Putschist” – golpista em inglês.

Sois rei

Agentes paramentados e à paisana na rua, e cortesia da PMDF com viaturas na rua, compõem a segurança do filhinho de Temer na escola.

Sem folga

O deputado federal Alfredo Kaefer é figura rara em Brasília nesse recesso. Está na capital para concluir a relatoria do PLP 181, que autoriza a venda da dívida ativa da União, Estados e municípios a fim de arrecadar fundos para os cofres públicos. Se aprovado, esperam-se para 2018 uns R$ 100 bilhões no Tesouro com as negociações.

Bombeiro-mor

O presidente Temer tem atuado como bombeiro para apagar incêndios por declarações ou posições contrárias de ministérios. Ordenou aos chefes da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Fazenda, Henrique Meirelles, que evitem dissensos e entrosem o discurso

É ordem!

O tema de maior contraditório entre os subordinados de Temer é Reforma da Previdência. Foi com o pito que Padilha adotou o bordão “palavra de Temer é ordem”.

Correção

O ministro Blairo Maggi (Agricultura) capitaneou contratos de compra de carne do Brasil por americanos em evento em Washington, e não em Brasília, como citamos.

Ponto Final

O camburão da PF está na porta do sítio em Atibaia.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil