PF investiga explosão de bomba feita com panela de pressão em Brasília

Tampa chegou a ser arremessada a 20 metros do local, no estacionamento em frente ao Shopping Conjunto Nacional

Por O Dia

Brasília - A Polícia Federal tenta descobrir quem colocou uma panela de pressão com pregos, que explodiu na noite desta segunda-feira num estacionamento localizado em frente ao Shopping Conjunto Nacional, em Brasília. A tampa chegou a ser arremessada a 20 metros do local da explosão.

A informação foi confirmada pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, na tarde desta terça-feira, durante a inauguração do Centro de Cooperação Internacional da Polícia Federal do Rio.

"Não há ainda nenhum indicio de que seja um atentado terrorista. Mas, pela forma que foi feito, uma panela de pressão com pregos colocados, nós já estamos investigando", disse.

Segundo Moraes, uma perícia está sendo foi realizada no material recolhido. Além dos pregos, a bomba possuía porcas e um líquido negro.

PF investiga explosão de bomba feita com panela de pressão em BrasíliaDivulgação

"Estamos procurando as imagens para rapidamente podermos fazer o caminho inverso: verificar quem se dirigiu ao local,como se dirigiu ao local para chegarmos rapidamente à pessoa", afirmou o ministro.

Segundo apuração de O DIA, agente envolvidos no caso estão intrigados com a forma de detonação. Até o momento, não foi encontrado um detonador no local.

Duas panelas de pressão com bombas no seu interior foram responsáveis pelas explosões durante o atentado terrorista na maratona de Boston, em 2013. Na ocasião, três pessoas morreram e 264 ficaram feridas, muitas mutiladas.

Alarmes falsos

Na noite desta terça-feira, duas mochilas abandonadas mobilizaram agentes do esquadrão antibombas. Uma das ocorrências foi na rua São Francisco Xavier, no Maracanã. A outra, no Parque Aquático, no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca. Ambas mochilas continham somente roupas.

Ainda nesta manhã, o esquadrão antibombas da Polícia Federal foi averiguar uma bolsa deixada dentro do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). Também não se tratava de uma bomba.

Outros alarmes falsos já foram constatados na cidade desde o dia 21 de junho. O esquadrão antibombas disse que vai averiguar todas as suspeitas durante o período olímpico.

Últimas de Brasil