Coluna Esplanada: Mãe complica a filha e Marco Feliciano

Mulher revelou que viu jovem aos prantos na faculdade onde estuda, no dia da suposta agressão cometida pelo deputado

Por gabriela.mattos

Brasília - As declarações contraditórias da mulher de 22 anos que acusou o deputado Pr. Feliciano de agressão e assédio sexual, e o silêncio do parlamentar desde terça-feira de nada adiantaram para acobertar uma história misteriosa até agora – a qual cabe à polícia apurar. A mãe da jovem, entrevistada pela coluna, revela que a flagrou aos prantos na faculdade onde estuda, no dia da relatada agressão do parlamentar. “Ela estava com a boca roxa e uma mancha roxa numa perna”. O mistério cresceu. “Ela pediu conta de CNPJ para depósito”, revela a mãe, segundo a mesma para não deixar rastros pessoais. O pedido, num telefonema, veio da filha em São Paulo, quando já estava tutelada por assessores de Feliciano e gravou vídeos de apoio ao político.

Áudio entrega

No mesmo dia, a jovem recuou da denúncia, evitou o B.O. policial e mentiu nas redes sociais de que fora pressionada ‘pela esquerda’. Foi desmascarada pelo áudio.

Confirmação

No áudio, publicado no nosso canal no Youtube, a garota conversa com o homem que se apresenta Chefe de Gabinete de Feliciano. Ele é Talma Bauer. Ela ratifica a agressão.

Proteção

Desde o início, para preservar a identidade e a integridade dos personagens envolvidos, a Coluna não divulga os nomes e iniciais da suposta vítima e parentes.

A fila anda

A despeito do calor do impeachment de Dilma Rousseff, a bancada feminina da Câmara se mobiliza. A deputada Érika Kokay prepara denúncia à PGR para investigar Feliciano.

Tá bom..

O deputado Feliciano continua calado. Ontem, resumiu-se a postar no Twitter algo sobre o poder do silêncio. A amigos, confidenciou que ‘tudo vai ser diferente..’

Brecou a roleta

O lobby da legalização dos jogos levou uma bomba. A base governista que o apoia dormiu na jogada e o PLS 186/14 foi retirado de plenário. Retornou para a Comissão de Desenvolvimento Nacional após requerimento aprovado. A justificativa é debater mais detalhadamente com o MP o combate à lavagem de dinheiro.

Marcha lenta..

As recentes e escandalosas fraudes em licitações que envolvem empresas de ônibus em 19 cidades de Norte a Sul do País poderiam ter sido investigadas e denunciadas há mais de nove anos por uma CPI do Senado.

.. e passageiros

..a proposta do ex-senador Valmir Amaral (empresário de empresa de ônibus e suplente do hoje encarcerado Luiz Estevão) foi barrada pelo hoje líder do PMDB e apontado como futuro presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Versão

O milionário senador Eunício Oliveira – dono de empresas que fornecem mão de obra terceirizada a órgãos públicos - teria articulado para evitar que a comissão alcançasse o número mínimo de assinaturas (27) para que a CPI fosse instalada, na versão de Valmir.

Par e passo

Três ministros do Governo de Michel Temer foram destacados para acompanhar de perto o processo do impeachment no Senado: Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Executiva das privatizações) e Geddel Lima (Secretaria de Governo).

A conferir

A ordem do chefe ao trio é manter contato diário com senadores para garantir uma derrota expressiva de Dilma no primeiro julgamento (9 de agosto) e pavimentar o afastamento definitivo da petista no segundo – previsto para o fim do mês.

Ponto Final

“Sérgio Moro expressa uma corrente do Direito que é bem próxima ao fascismo”

Do deputado Wadih Damus (PT-RJ), após o depoimento do juiz da Lava Jato na Câmara, pedindo aplausos, mas sem plateia.

?Coluna de Leandro Mazzini

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia