Por tabata.uchoa

Rio - Um caso chocante movimenta os bastidores da cúpula do Justiça no Mato Grosso. De um lado, uma enfermeira de origem humilde com um filho de dois anos, e de outro, um renomado advogado de conhecida família do Judiciário de Cuiabá, pai da criança. A mulher o acusa de abusar sexualmente do próprio filho. O MP e uma delegacia especializada investigam o caso sob segredo de Justiça, e três juízes já declinaram da decisão de reverter o direito da guarda à mãe, diante da liminar do pai em ficar com o filho. Sem ajuda, a mulher viajou para Brasília e visitou autoridades, às quais apresentou suas provas, de posse da Coluna.

Laudos

A mulher descobriu fissuras nos órgãos genitais do garoto. Tem laudos médicos, e psicológicos com a profissional Tatiana Hart, do Rio, que atuou na CPI da Pedofilia.

Guerra judicial

Após a acusação, começou guerra judicial entre os pais. Ele alega alienação parental e até fez B.O. de rapto de incapaz quando a mãe viajou para Brasília com o filho.

Detalhes sórdidos

A mãe também tem um B.O. em Cuiabá contra o pai, onde detalha o que descobriu das agressões – aqui impublicáveis – e nos quais constam os laudos que juntou.

PP se defende

Os advogados do PP apresentaram um documento à Justiça em defesa do deputado Dudu da Fonte (PE) e do falecido senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), suspeitos de pedirem R$ 10 milhões a Paulo Roberto Costa, então diretor da Petrobras, para enterrar a CPI da estatal em 2009.

Quarteto x PRC

É um ofício dos senadores Álvaro Dias (hoje no PV), Agripino Maia (DEM), ACM Júnior (DEM) e Sérgio Guerra, no qual o quarteto pede à PGR, à época da CPI, uma investigação sobre a petroleira. O documento coloca em xeque a declaração de Paulo Roberto, o PRC, na delação na Lava Jato.

Mas..

.. para os investigadores, o ofício não diz muito. Pode ter sido só balão de ensaio para a turma pressionar a Queiroz Galvão e a cúpula da Petrobras a negociarem.

Você pode gostar