Agosto é o mês do divórcio, diz pesquisa em cartórios

Fátima Bernardes e William Bonner engrossam estatística. IBGE mostra aumento

Por O Dia

Os apresentadores anunciaram a separação após 26 anos de casadosDivulgação/TV Globo

Rio - A separação dos jornalistas Fátima Bernardes e William Bonner endossa uma estatística crescente no país: o aumento do número de divórcios. E se maio é o mês escolhido pelas noivas para casar, agosto é o favorito para as separações, de acordo com o Colégio Notarial do Brasil (CNB), entidade que congrega os cartórios de notas. No mês dobram as chances de as pessoas se divorciarem se comparado a janeiro, período com menos atos formalizados. Estatísticas mostram que desde 2007 foram 40.017 divórcios formalizados neste mês, ante 33.978 de janeiro. As chances de os casais romperem o casamento aumentam em 19% no segundo semestre do ano.

“Levamos em consideração os atos praticados desde 2007, ano em que foi instituída a Lei n° 11.441, que permitiu a realização de inventários, partilhas, separações e divórcios nos cartórios de notas. A normativa facilitou a rompimento dos casais e desburocratizou a vida de milhares de pessoas”, afirma o presidente da seccional de São Paulo do CNB, Andrey Guimarães Duarte. O divórcio no Brasil é legalizado desde 1977.

Entre famosos que se separam após anos juntos estão casais como Joelma e Chimbinha, da Banda Calypso, os atores Alexandre Borges e Julia Lemmertz, o jogador kaká e Carol Celico. Já outros tiveram casamentos relâmpagos. Como o ator Eddie Murphy, que ficou casado nove dias com Tracey Edmonds. A cantora americana Britney Spears bateu recorde: o seu enlace com Jason Alexander durou somente dois dias.

A última pesquisa de Registro Civil do IBGE mostra que em 2014 o Brasil registrou 341,1 mil divórcios. Dez anos antes esse número era de 130,5 mil registros, um aumento de 161,4%. A pesquisa com os dados de 2015 será divulgada em novembro. A taxa de divórcio é maior entre casais com 10 anos de casados. Para a psicóloga Glauce Correa, da Santa Casa de Misericórdia, Fátima e Bonner fogem à regra, já que eram casados há 26 anos.

Segundo Glauce, a emancipação da mulher e a sua independência profissional a leva a se perceber mais livre — esse também é um dos motivos apontados pelo próprio IBGE para o aumento de divórcios. "Hoje em dia, casar e divorciar não é mais tão complicado. Além do fato de que casais se juntam no momento de paixão de início de relacionamento e não com um amor mais estabelecido e amadurecido. E isso não resiste quando o casamento entra em fase de concessões e rotinas. O amor de início de relacionamento é avassalador, mas não maduro para transpor a convivência diária”, afirma.

Ainda de acordo com Glauce, na busca de uma paixão explosiva, é comum encontrar pessoas com enlaces sequenciais. “Separar é algo fácil. Então o que vemos com muita frequência são pessoas que já estão no terceiro ou quarto casamento. Muitas vezes deixando filhos dessas relações fracassadas”, opinou.

'Cupido'

O advogado Rafael Gonçalves, de 27 anos, trabalha em um escritório em Minas Gerais que atua na formalização de divórcios. No entanto, ao contrário de dar prosseguimento na papelada da separação, ele tenta antes reatar o casal. Em fevereiro deste ano, um questionário que Gonçalves fez para um casal que o procurou viralizou nas redes sociais. Isso porque, juntamente com as anotações dos documentos necessários para o divórcio, ele elencou quatro perguntas. Entre elas, estava ‘Eu fiz tudo para salvar o meu casamento?’.

Dias depois, o casal o procurou dizendo que não iria mais se divorciar. “Perdi clientes, mas ganhei um casal de amigos”, brincou. “Para mim, o divórcio só é justificável quando há falta de amor. O divórcio é a última opção”, afirmou. Ao casal Bonner e Fátima, Gonçalves disse que também poderia elencar uma série de perguntas para tentar evitar a formalização da separação. “Já cheguei a fazer quatro reuniões de mediação com um mesmo casal para evitar o divórcio. A maioria das separações ocorrem por três motivos: falta de amor, financeira e traição”, disse.

Ao que tudo indica, o “casal 20” da televisão brasileira não deverá voltar a morar sob o mesmo teto. Fátima já apresentou o seu programa matinal ‘Encontros’ sem aliança ontem.

Últimas de Brasil