Manifestações se espalham pelo país após impeachment de Dilma

Na capital paulista ocorreu violência e fotógrafos foram detidos. Rio, Salvador, Florianópolis e outros tiveram protestos

Por O Dia

Rio - Manifestantes tomaram as ruas do país na noite desta quarta-feira após ser proclamado oficialmente que Michel Temer assumiu o posto da Presidência da República, com o impeachment de Dilma Rousseff. Na capital paulista ocorreram episódios violentos. A Polícia Militar afirma que usou apenas bombas e gás lacrimogênio, mas vídeos nas redes sociais mostram pessoas machucadas e carregadas da manifestação. Dois fotógrafos que documentavam um protesto na Rua da Consolação foram detidos e a câmera de um deles feita em pedaços. De acordo com a assessoria da PM de SP, não se sabe o motivo do lançamento das bombas.

Os fotógrafos foram levados ao 78° DP sob alegação de estarem "jogando pedras contra a tropa". Os profissionais negaram a acusação e um deles denunciou que foi agredido. Após exame de corpo de delito, os dois foram liberados. Segundo a PM, o caso está sendo investigado junto com inquérito para apurar danos aos patrimônios público e privado.

A ação da PM fez com que a passeata se dividisse em manifestações menores. Parte dos ativistas desviou da Rua da Consolação para a Rua Augusta e deu prosseguimento ao protesto. Outros, correram para a Praça Roosevelt, onde bombas e gás também foram lançados pela polícia. A intenção dos ativistas era encerrar a manifestação em frente ao jornal Folha de S.Paulo, na Rua Barão de Limeira.

Manifestação contra impeachment na Avenida PaulistaAgência Brasil

Segundo o Grupo de Apoio ao Protesto Popular (Gapp), ao menos uma pessoa foi ferida superficialmente por uma bomba da PM. Na região do Largo do Arouche, uma viatura da polícia e uma agência bancária foram depredadas por manifestantes.

Na Avenida Paulista, a PM fez um cordão de isolamento para separar manifestantes pró e contra impeachment. Um vídeo no Facebook mostra manifestantes sendo carregados por moradores na região da Consolação. 

Florianópolis

Cerca de três mil manifestantes se reuniram na noite desta quarta-feira, 31, em Florianópolis para protestar contra a decisão do Senado Federal que afastou a presidente Dilma Rousseff definitivamente do cargo. Um vídeo publicado no Facebook mostra policiais arrancando faixas das mãos de manifestantes.

O grupo chegou a bloquear a ponte Colombo Salles, única saída da cidade em direção ao continente. Houve confronto entre Polícia Militar e manifestantes.

Porto Alegre

Por volta das 18h, manifestantes começaram a se concentrar na Esquina Democrática, no Centro Histórico de Porto ALegre, levando cartazes e faixas que diziam "golpe contra a democracia". A sede do PMDB foi depredada por um grupo e outro colocou fogo em um caixão com a inscrição "democracia". A Brigada Militar (BM) entrou em ação e uma correria generalizada teve início.

Mais tarde, policiais formaram um cordão de isolamento ao redor do prédio da RBS, afiliada da Rede Globo. Alguns manifestantes queimaram pneus no meio da avenida e tentaram revidar com pedras arremessadas contra os policiais.O confronto durou cerca de 20 minutos.

Manifestantes queimaram pneus em Porto Alegre após polícia fazer cordão de isolamento para impedir que chegassem perto de prédio de afiliada da Globo Agência Brasil

Durante o enfrentamento, o grupo gritava para os policiais que eles “estavam do lado errado”. Após alguns minutos, os manifestantes desistiram de se aproximar do prédio e recuaram pela Avenida Érico Veríssimo em direção à Cidade Baixa.

Após circular pelas ruas do bairro convocando a população a se unirem ao movimento, a multidão se dirigiu para o Largo Zumbi dos Palmares, onde a manifestação foi encerrada.

Brasília, BH e Curitiba

Manifestações também tomaram as ruas de Curitiba, Belém, Brasília e Belo Horizonte. A deputada Erica Kokay denunciou em sua conta no Twitter que um homem foi agredido enquanto se manifestava na Rodoviária de Brasília.

Em BH, centenas de pessoas se reuniram no Centro da cidade e não houve registro de violência. Manifestantes que protestaram em Curitiba avisaram em redes sociais que existe uma outra "república" na capital do Paraná. Outro ato está convocado para esta quinta-feira às 18h.

Rio

No Rio, cerca de 2 mil manifestantes, segundo organizadores, se reuniram em um ato contra o impeachment na Cinelândia e depois partiram pela Rua Santa Luzia, onde fica a sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Em frente ao prédio da entidade, os ativistas fizeram uma pausa e discursaram contra a posição da Firjan pelo impeachment de Dilma. Participaram centrais sindicais, entidades estudantis e grupos da sociedade civil, além de pessoas sem ligação com esses grupos.

Manifestantes fazem protesto na Cinelândia%2C no Centro do Rio%2C na tarde desta quarta-feiraReprodução Facebook

O policiamento foi reforçado e um carro de polícia ficou estacionado em frente à entrada principal do edifício para evitar uma possível invasão. Porém, não houve vandalismo, nem violência e os manifestantes prosseguiram a manifestação.

Houve uma nova concentração em frente à Assembleia Legisaltiva do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), quando os ativistas ocuparam as escadarias do prédio e novamente discursaram contra o impeachment. Por volta das 21h15, os primeiros manifestantes começaram a se dispersar.

Em Copacabana, na Zona Sul, integrantes de dois grupos que apoiam o impeachment se reuniram na orla, nas imediações do Posto 5, a partir das 18h. O Movimento Brasil Livre-RJ e o Vem pra Rua se concentraram para comemorar a saída definitiva de Dilma da presidência da República. Não houve divulgação do número de participantes. O ato seguia, pacífico, às 19h30 desta terça.

Salvador

Centenas de manifestantes foram às ruas de Salvador, Bahia, para dizer que Michel Temer não os representa. O ato, que começou em frente a um shopping, foi acompanhado pela Polícia Militar e não há registros de episódios violentos. O grupo se dispersou por volta das 21h, em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), no bairro do Costa Azul.

Últimas de Brasil