Temer chama ministro da Justiça após declarações sobre Lava Jato

Segundo interlocutores, presidente acredita que declaração 'antecipando' operação que prendeu Palocci 'pegou muito mal'

Por O Dia

Brasília - O presidente Michel Temer chamou o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para que ele compareça ao Planalto e explique suas declarações sobre a Operação Lava Jato um dia antes da fase que culminou com a prisão do ex-ministro Antonio Palocci, que atuou nos governos petistas de Lula e Dilma. Além de Moraes, Temer também chamará outros ministros que têm dado declarações polêmicas para pedir mais cuidado nas suas exposições.

De acordo com interlocutores do presidente, "pegou muito mal" a declaração de Moraes por diversas razões. Além de trazer para "o colo do governo" um suposto vazamento de operação, a fala de Moraes amplia a crise de comunicação já existente. Na conversa, Temer pedirá mais cuidado, cobrará explicações e também alertará o ministro de que é preciso ter cautela em participação em campanhas eleitorais. "Ele falar demais em campanha é outro fator complicador e o presidente fará recomendações neste sentido", disse uma fonte.

O fato de envolver a Lava Jato, segundo interlocutores, deixa Temer em uma situação ainda mais delicada já que o governo tem sido acusado de usar politicamente a operação. "Isso desagradou ainda mais o presidente", disse um interlocutor.

Moraes falou ontem durante evento de campanha de Duarte Nogueira à prefeitura de Ribeirão Preto (SP), em uma conversa com integrantes do Movimento Brasil Limpo (MBL), que uma nova etapa da Operação Lava Jato seria deflagrada nesta semana. "Teve a semana passada e esta semana vai ter mais, podem ficar tranquilos. Quando vocês virem esta semana, vão se lembrar de mim", disse.

Presidente Michel Temer deverá convocar ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para dar explicações sobre declarações antes de operação da Lava Jato que prendeu PalocciAgência Brasil/Marcelo Camargo

Temer foi informado das declarações de Moraes ainda ontem e telefonou para o ministro para entender o que tinha acontecido. Ontem, a posição do Planalto era evitar comentários justamente para não trazer mais uma crise para dentro do governo. Hoje, diante da deflagração da operação e da suspeita de que ele teria "falado demais", o presidente quer essa nova conversa.

Além disso, fontes destacam que uma besteira dita pelo Ministério da Justiça é ainda mais grave, já que a área é "delicada". O Planalto tem tentado buscar novas estratégias de comunicação justamente para mitigar os danos causados por falas equivocadas. Moraes, entretanto, é tido como um dos titulares mais difíceis. Foi um dos que recusaram a oferta de media training e disse a interlocutores do Planalto "que não precisava de treinamento" para falar com a mídia.

Outros ministros

Além de Moraes, Temer deve chamar para conversas nesta segunda-feira outros titulares da Esplanada que têm se envolvido em polêmicas, a exemplo do Ricardo Barros (Saúde) e Ronaldo Nogueira (Trabalho). Até mesmo o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, um dos mais próximos do presidente teve que se explicar na semana passada após dizer que supostamente apoiaria o projeto de anistia ao Caixa 2.

Últimas de Brasil