Esplanada: Políticos tiveram residências visitadas pela Polícia Legislativa

Um agente revelou à Coluna que foram descobertos e desativados grampos em apartamentos funcionais de senadores

Por O Dia

Brasília - Romero Jucá, Fernando Collor, Renan Calheiros, Edison Lobão, Gleisi Hoffmann – todos alvos da Lava Jato – pediram e tiveram seus gabinetes e residências visitados pela Polícia Legislativa em varreduras contra grampos nos últimos meses.

Um agente revelou à Coluna que foram descobertos e desativados grampos em apartamentos funcionais de senadores, mas não sabiam que eram da Polícia Federal. A PF não confirma. Essas investigações, por lei, estão cercadas de sigilo. Mas em coletiva, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, deu a dica de que provas foram destruídas.

Respaldo

A DEPOL tem autorização das resoluções 59/2002 e 14/2015, do regimento do Senado, para varreduras – mas precisaria de autorização do STF porque senadores são alvos.

Causa própria

Curiosamente a autorização para trabalho antiespionagem foi garantida por resolução de 2015, quando a Lava Jato já batia à porta do Congresso.

A maleta

A DEPOL utiliza o sistema Oscor, comprado pelo Senado há poucos anos. É uma maleta high tech que detecta grampos e escutas ambientais. Foram apreendidas 10 delas.

Caciques

Dois citados ontem nos bastidores são obcecados por varreduras. Fernando Collor pede à DEPOL semanais no gabinete e em sua casa. Quando senador, José Sarney também – e o ‘serviço’ continuou mesmo após o mandato se encerrar. O esquema de obstrução da investigação foi revelado por dois agentes que não quiseram se envolver.

Controle..

Um decreto do presidente Michel Temer assinado na quinta-feira transferiu para a Spring Televisão S.A. a concessão da antiga MTV, que era do Grupo Abril . A TV foi vendida dois anos atrás, sem valor revelado – coisa de R$ 400 milhões.

..remoto

O Grupo Abril à época recusou uma oferta de R$ 350 milhões do Pastor R.R.Soares pela antiga MTV. Agora Temer valida a operação. O caso passa – e deu um salto rápido – pelo Ministério das Comunicações, do ministro paulista Gilberto Kassab.

Religião & História

O Governo declarou de ‘interesse público’ acervo arquivístico do saudoso Dom Lucas Moreira Neves. Eis boa oportunidade ara quem gosta de religião, política e História.

Mexeu com elas..

Eduardo Cunha é teimoso e reticente. Garantiu que não há o que falar. Mas se prenderem a mulher e uma das filhas, ele vai soltar tudo contra novos personagens.

Correção de look

A turma da Fenapef, dos policiais federais, lembra que quem determina a escolha dos agentes de escolta é um delegado. Reparem que no mesmo dia, após a fama do policial ‘barba lenhador & coque samurai’, os agentes da escolta de Eduardo Cunha em Curitiba apareceram fardados e com capuz (a balaclava).

Prévia

Deflagrada em dezembro de 2015, a operação Catilinárias guarda prévia do que pode revelar uma possível delação premiada do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, agora preso em Curitiba. Nos celulares apreendidos, haveria mensagens de ameaça e cobranças incisivas para partidários que hoje ocupam altos escalões do Governo.

“Efeito Orloff”

Uma das mensagens traz a frase depois celebrizada por Eduardo Cunha na CCJ da Câmara. "Hoje sou eu. É o efeito Orloff. Você, amanhã", dirigida a um peemedebista – hoje ministro palaciano.

Mau cheiro

O líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP), se esquivou de comentar a prisão de Cunha. “Não gosto de comentar prisão, nem de adversário. Cadeia não é uma coisa boa; cadeia fede”, disse o parlamentar.

Ponto Final

“Temer se aposentou com 55 anos, ganha R$ 30 mil de aposentadoria, e propõe elevar de 65 para 70 o recebimento do benefício. É pra matar, não?”

Da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil