Por thiago.antunes

Brasília - O Governo acompanha com especial atenção a eleição presidencial nos Estados Unidos. O País em crise política e econômica é visto hoje no cenário global como um ponto no mapa, e o mais instável entre os membros do BRICS.

Na avaliação do Governo, é hora de virar o jogo: a África não tem mercado; na China, o investidor corre o risco de ver o negócio tomado pelo Politburo; a Índia não dá segurança de titularidade e posses e a Rússia é prejudicada pelo estilo figadal de Vladmir Putin. O problema do Brasil, hoje, é a instabilidade política e econômica.

RP da virada

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quer reverter a visão do Brasil junto aos americanos e investidores europeus. E mostrar que o País é a melhor opção dos BRICS.

Road show

Meirelles deve continuar seu road show entre potências econômicas a fim de convencer os investidores de que o Brasil já tem estabilidade política e jurídica para contratos.

Nova opção

Empresários que dialogam com os investidores britânicos descobriram que eles agora estão de olho no mercado da Indonésia, mas ainda temem o Brasil.

A conferir...

Americanos com investimentos no Brasil têm dados sinais para Brasília e São Paulo de que Donald Trump ganha a eleição nos EUA por três pontos de vantagem.

Profeta do caos

Eleitor do PT, mas principalmente adversário da centro-direita que tem assumido a AL, o senador Requião (PMDB-PR) deu uma cutucada no presidente eleito da Argentina, Maurício Macri, durante audiência do Mercosul. Numa selfie, no Twitter, criticou a ausência dos Hermanos em Montevidéo porque o Governo de Macri não os remunera.

Escolta pra quê...

Descobriu-se que o ministro da Justiça atrapalhou a PF na escolta do secretário de Estado John Kerry, na Olimpíada, ao requisitar para si um helicóptero que seria usado na escolta ao americano. Quem conhece o cão da comitiva de Kerry garante que helicóptero é capricho.

É o cão!

O FBI leva na comitiva um pastor alemão bem treinado para farejar até a comida do hotel que chega a Kerry. O cão tem tratamento tão vip que fica em suíte nos hotéis, e só come legumes cozidos em ervas – com água mineral trazida dos EUA.

Discurso ensaiado

A presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, Maria Inês Fini, segue “ipsis litteris” o discurso dos chefes – Mendonça Filho (Educação) e Michel Temer – contra as ocupações nas escolas e universidades.

Sindicatos!

“Há muita manipulação de adultos ligados a partidos políticos e sindicatos. Eu só tenho a lamentar esse movimento que abalou uma parcela da nossa juventude”, discorre à Coluna a professora diretora do INEP, sem citar os sindicatos da esquerda.

Refluxo

O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), diz estar confiante no refluxo do movimento de ocupação das escolas. “Eu digo com toda a franqueza, essa coisa (ocupações) agora vai começar a cair; já caiu. O diálogo está aberto, a grande maioriaaprova a reforma do ensino médio”, afirma o democrata.

Mapeamento

Movimentos camuflados que lideram as ocupações nas escolas – sindicatos, partidos e entidades estudantis – esperam com expectativa a divulgação dos locais das provas do Enem nos dias 3 e 4 de dezembro. O plano é ocupar pelo menos metade dos locais.

Tonturas, desmaio...

Não anda nada bem atrás das grades o pecuarista José Carlos Bumlai. O amigo do ex- presidente Lula está com pressão alta, sentindo tonturas e tem desmaiado no presídio do Complexo Médico-Penal (CMP) em Pinhais, perto de Curitiba.

...e bronca

Tem reclamado em voz alta com advogados ao afirmar que 'não agüenta mais ficar preso' e quer fechar o acordo de delação premiada o quanto antes.

Coluna de Leandro Mazzini

Você pode gostar