Por thiago.antunes

Rio - O processo do ex-presidente da República Lula da Silva contra o delegado federal Felipe Pace acendeu o alerta na categoria e a revolta velada de muitos colegas do investigador.

Lembram que Lula não processou até hoje um procurador ou juiz envolvido no caso da Lava Jato, e que sua motivação é intimidar os investigadores. Pace citou que Lula é o ‘Amigo’ nas planilhas de Antonio Palocci, pego na operação. Os advogados do ex-presidente pedem R$ 100 mil de indenização.

Do bolso

Os delegados amigos de Pace citam que, se ele for condenado, a indenização pesada sairá do seu bolso. Lula não processa a corporação PF e sim o delegado.

O juiz

O caso está com um juiz de São Bernardo do Campo, cidade onde reside Lula da Silva.

Ecos

Para investigadores, a ação de Lula é o teste para um pontapé jurídico de freio da Lava Jato. Advogados do petista dizem que Pace foi irresponsável ao citar Lula sem provas.

Guerra é aqui

Entre 2011 e 2015 já se matou mais com arma branca e de fogo no Brasil que na guerra da Síria. Foram mais de 279 mil vítimas por aqui e 256 mil do país do oriente médio. Os números são do anuário brasileiro de segurança pública. No Brasil, registra-se em média uma morte violenta a cada nove minutos.

Sem farda

Dado curioso é que, apesar de todo o cenário de violência, os policiais morrem três vezes mais fora do serviço do que no trabalho de combate ao crime. Em 2015, foram 393 policiais assassinados – 290 deles sem a farda.

Risco escolar

Em tempos de ocupação de escolas em protestos contra a PEC 55 (ex-241) e a reforma do ensino, saiu um dado alarmante no anuário pelo qual a garotada deveria atentar: 50,8% dos alunos no País já registraram que suas escolas ficam em áreas de risco de segurança – 53,5% deles são das públicas, e 34,5% de particulares.

Pé na areia

Uma encrenca ambiental em Trancoso, paraíso sagrado de praia dos brasileiros na Bahia, foi parar nos gabinetes em Brasília. Detalhes em breve.

Fantasma$

Uma das cidades com menor IDH do País, Porto Franco (MA) está no centro de um escândalo investigado pelo MP do Estado. A Coluna teve acesso aos documentos, com relatórios que indicam servidores fantasmas. Gente que sequer mora na cidade.

É de casa

Os documentos do MP mostram, por exemplo, que o estudante de medicina Nicodemos Aurélio Marinho do Egito Vilar recebe R$ 1.602,93 da prefeitura. Mas ele mora e estuda no Rio de Janeiro. Nicodemos é sobrinho do ex-prefeito e deputado federal cassado Deoclides Macedo. O jovem não foi localizado.

Vem bomba

A Coluna irá divulgar os nomes e os valores recebidos pelos servidores fantasmas da prefeitura de Porto Franco ao longo da semana.

Caiu na rede

É tão forte a campanha de bastidores pela vaga aberta no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que já chegou às redes. A advogada Ana Luísa Marcondes, servidora da Câmara Federa, gravou um vídeo profissional que circula no WhatsApp. Defende sua indicação como a primeira mulher na vaga do Congresso Nacional para o CNJ.

Aí não vale...

Taxistas de Brasília se articulam para fechar as vias de acesso do Aeroporto JK em protesto contra o aumento do serviço de Uber no local.

Ponto Final 

“Frisamos que o Novo Regime Fiscal não trata de cortes de gastos, mas sim de impor limites necessários ao aumento das despesas públicas”, do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), relator da PEC do Teto de Gastos, em turbulenta tramitação da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Coluna de Leandro Mazzini

Você pode gostar