Hospital teria se negado a socorrer mulher que morreu após ser picada por cobra

Segundo marido, advogada não foi atendida em hospital público porque tinha plano de saúde

Por caio.belandi

São Paulo - A Polícia Civil de Franca investiga a morte de uma advogada de 69 anos que foi picada por uma cobra e não teria recebido atendimento médico na rede pública por possuir plano de saúde particular. O caso foi registrado como omissão de socorro e o médico poderá responder por homicídio culposo (quando não há intenção de matar).

Segundo o juiz aposentado Nilton Messias de Almeida, sua mulher, a advogada Maria José Alves de Almeida, foi picada por uma jararaca na semana passada, quando seguia para uma capela no interior da fazenda da família, em Patrocínio Paulista (SP).

A advogada Maria José Alves de Almeida e o marido, o juíz aposentado Nilton Messias de AlmeidaReprodução/EPTV

Almeida afirma que Maria José foi levada para a Santa Casa de Franca (SP), único local a contar com o soro antiofídico. Ele também levou a cobra morta, para os médicos soubessem de qual espécie de tratava.

De acordo com o juiz aposentado, o médico da Santa Casa informou que não poderia atender a paciente porque ela tinha convênio particular. Diante da insistência, o hospital teria orientado que ela fosse levada ao Hospital do Coração, outra unidade pública, para onde mandariam o soro.

Maria José foi parar no pronto-socorro, voltou para a Santa Casa e, por fim, foi internada em um hospital particular, relata Almeida. O soro demorou três horas para chegar e não surtiu efeito. A paciente morreu no fim de semana.

Investigação

O delegado Luís Carlos da Silva registrou o caso como omissão de socorro, para apurar a responsabilidade do hospital e de outras pessoas, entre elas o médico. Nesta quinta-feira, Silva começou a ouvir os envolvidos. "O que aconteceu foi algo absurdo. Como ela poderia procurar outro hospital se apenas a Santa Casa tem o soro?", questiona.

Em nota, a Santa Casa culpou Almeida, que, segundo a instituição, deveria ter procurado primeiro a Santa Casa de Patrocínio Paulista. Alegou, ainda, que em Franca ele foi "orientado a procurar o Hospital do Coração para que fosse ministrado o soro antiofídico em função de melhores condições operacionais naquele momento".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia