Por caio.belandi
Carta de demissão Geddel Vieira LimaReprodução

Brasília - Após uma semana de forte turbulência, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, entregou o cargo na manhã desta sexta-feira. Geddel escreveu uma carta de demissão ao presidente Michel Temer, que aceitou o pedido do agora ex-ministro. A pasta é de grande importância, já que é a responsável pela articulação política do Planalto com o Congresso.

A crise começou na sexta-feira passada, quando Marcelo Calero, então ministro da Cultura, entregou o cargo alegando razões pessoais. Já no fim de semana, Calero declarou o real motivo: Geddel Vieira Lima teria o pressionado a intervir junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para liberar a construção do edifício de alto padrão La Vue Ladeira da Barra, em Salvador, onde Geddel possui apartamento.

Desde a declaração, há uma semana, a bola de neve foi aumentando. Na segunda-feira, A Comissão de Ética Pública da Presidência da República votava sobre a abertura de processo para apurar o caso. Mesmo com maioria, a decisão acabou adiada.

Na quinta,  a Justiça Federal determinou a imediata paralisação das obras e a suspensão da comercialização das unidades habitacionais do edifício La Vue, em Salvador, ratificando a determinação do (Iphan), que havia embargado a obra na quinta-feira passada.

Também na quinta, Calero foi à PF, onde prestou depoimento sobre o caso. O ex-ministro da Cultura com o presidente Michel Temer, com o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, e com o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Para que as gravações sejam periciadas e analisadas pela Polícia Federal (PF) é preciso que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorize a abertura de investigação.

Você pode gostar