Por caio.belandi

São Paulo - O segundo dia do júri de Elize Matsunaga, acusada de matar e esquartejar o ex-marido, o empresário Marcos Matsunaga em 2012, foi interrompido por alguns minutos na manhã desta terça-feira.

Após mostrar fotos das partes do corpo da vítima no plenário, uma jurada passou mal e foi advertida pelo juiz enquanto a ré começou a chorar e pediu para ser retirada do local.

No segundo dia de julgamento, é ouvido o delegado Mauro Gomes Dias, que presidiu o inquérito do caso, investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). Foi ao delegado, em uma filmagem, que Elize confessou ter assassinado e depois retalhado do corpo de Marcos. O crime aconteceu na noite do dia 19 de maio de 2012, um sábado. "Ela conseguiu enganar a família inteira", afirmou Gomes Dias.

A jurada que sentiu mal tem diabete. Mesmo assim, o juiz Adilson Paukoski Simoni advertiu que avisou sobre o teor do caso "Eu falei com senhora antes, se conseguia participar do júri que trata de esquartejamento", reclamou.

Já Elize começou a chorar e, através dos advogados, pediu para sair da sala.

Com informações da Agência Estado

Você pode gostar