Coluna Esplanada: Decisão da Corte de permitir o aborto dividiu Igreja e STF

Em nota, a CNBB apela à Nossa Senhora para que 'interceda pelos nasciturnos'

Por O Dia

Brasília - Não convidem para a mesma mesa de jantar os ministros do STF e a cúpula da Igreja Católica. A decisão da Corte de permitir o aborto até o terceiro mês dividiu as duas principais instituições brasileiras.

Em meio a uma campanha nas redes sociais contra a descriminalização da prática de aborto, Dom Odilo Scherer, o arcebispo de São Paulo, é irônico no Twitter. “A vaquejada é proibida, mas a morte de seres humanos até o terceiro mês é permitido”. E pergunta: “Que país é este???”.

Assim mesmo, com três pontos de interrogação. Em nota, a CNBB apela à Nossa Senhora para que “interceda pelos nasciturnos”.

Troca de papéis

Na Câmara, os evangélicos criaram uma comissão que promete confrontar os ministros. Alega-se que o Supremo resolveu legislar no lugar do Legislativo.

Patinho feio

O deputado Pauderney Avelino (Dem-AM) foi provocado por outros líderes partidários. Seria ele o único arrependido por indicar o relator das medidas contra a corrupção.

Chuveiro

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) também não poupou o deputado Onyx Lorenzonzi (Dem-RS). “É um Lorenzetti”, em alusão à tradicional fábrica de chuveiros.

Duas noivas, um casamento

Braço direito do ex-presidente no Palácio do Planalto, o ex-ministro Gilberto Carvalho confidenciou que Lula da Silva animou-se para assumir a presidência do PT, hoje em frangalhos. Mas está muito mais animado em ser candidato à Presidência da República em 2018. “Ele está viajando pelo Brasil”, resumiu Carvalho.

Conhecimento é tudo

Trinta pesquisadores vão estudar por 20 dias a água, o fundo do Atlântico e sua relação com a atmosfera em viagem no navio de pesquisa Vital de Oliveira. A embarcação zarpou nesta quinta sob os auspícios da Universidade Federal do RJ.

Persona non grata

O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) quer tirar o título de Mérito Legislativo concedido a Guilherme Boulus, do MTST, entidade acusada de depredar a Esplanada dos Ministérios.

Que feio

As assessorias do Planalto e de Lula da Silva estão antecipando para a imprensa pautas exclusivas pedidas pelos jornalistas.

Aqui e lá

O povo colombiano que emocionou o Brasil com as homenagens à Chapecoense, ainda sofre com a guerrilha de 50 anos. Ontem, uma menina quase morreu quando brincava com uma granada.

Los hermanos

Para evitar mais sofrimento às famílias, o Departamento de Medicina Legal da Colômbia fez a identificação dos 71 corpos em tempo recorde. Os brasileiros agradecem.

Efeito borboleta

A Operação Zelotes, que mirou ontem o Itaú Unibanco e o Bank Boston, provocou “prejuízos” também no Banco do Brasil e Bradesco. Somadas com a queda dos papéis do Itaú Unibanco, as perdas na Bovespa chegaram a R$ 9,3 bilhões.

Ironia

Mesmo sendo o alvo, o Itaú Unibanco foi o menos penalizado, segundo o Infomoney. Suas ações tiveram queda de quase 5%. A Polícia Federal buscou documentos relativos a processos tributários.

Virou fumaça

O Governo Temer garantiu que não aumentaria impostos, mas mordeu a língua. E ri da sociedade. Aumentou o imposto (de novo) dos cigarros em 7%. Quem deu aval foi o secretário da Receita Jorge Rachid, que terá de inventar uma desculpa para o chefe.

No crédito

Não está fácil pra ninguém. Em Belo Horizonte, prostitutas fecham acordo com a Caixa. Clientes podem parcelar o valor dos programas.

Olhar 43

Para o senador Roberto Requião (PMDB-PR) o “abuso de poder é o que sofre o povo ingênuo nas mãos de otoridades’. Todas ‘otoridades”. Então tá.

Ponto Final 

“Dia 29 foi um dia sombrio para a história brasileira. Vândalos destruíram automóveis de funcionários e provocaram baderna na Esplanada dos Ministérios”,  do senador Lasier Martins (PDT-RS), sobre o “badernaço” anti-PEC 55 na terça-feira, 29.

Últimas de Brasil