Por thiago.antunes
Brasília - O pacote da reforma da Previdência Social já tem data para chegar no Congresso Nacional. Tema extremamente polêmico, o projeto acumula críticas antes mesmo ter sido debatido com alguma profundidade.
As entidades sindicais que têm encontro na segunda-feira com o governo são taxativas: a Previdência não é deficitária. É exatamente neste ponto que a equipe econômica sustenta a defesa para a reforma. A mentira, segundo os sindicatos, tem o propósito de desmontar o sistema previdenciário.
Publicidade
Sinais
Para as entidades sindicais, nada justifica alterar a forma como é concedida a aposentadoria, pois qualquer mudança só vai prejudicar o trabalhador. Segundo o governo, a equação é simples: sem mudanças o sistema previdenciário quebra.
Publicidade
Na fila do emprego
Enquanto nos Estados Unidos a taxa de desemprego é menor que 4%, a menor em dez anos, no Brasil as previsões são as piores possíveis. Até o Banco Central é pessimista para 2017.
Publicidade
Outros números
As autoridades brasileiras admitem que são mais de 12 milhões de desempregados. No IBGE, os números são outros. Seriam 23 milhões de desempregados e subempregados.
Publicidade
Na ponta do lápis
Já está valendo a obrigação das instituições de ensino superior remunerar os bancos pelos custos da concessão do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O novo modelo de remuneração trará economia de R$ 400 milhões ao governo federal em 2017. Hoje, são 731 mil contratos. Os bancos ficam com 2% do valor dos encargos educacionais.
Publicidade
Acarajé mineiro
O deputado Antonio Imbassahy (BA), líder da bancada tucana na Câmara, é um túmulo quando perguntado sobre a possibilidade de assumir a Secretaria de Governo. Nome citado para substituir Geddel Vieira Lima, o baiano usa a velha tática da política mineira do silêncio.
Publicidade
Big Brother
Além os Estados Unidos, a força-tarefa da Lava Jato conversa com cerca de três dezenas de países sobre o esquema de corrupção. Dezesseis países pediram algum tipo de informação e o Departamento de Justiça (espécie de Ministério Público dos EUA) investiga 12 empresas.
Publicidade
À flor da pele
O presidente Michel Temer parece que também não escapou da paranoia que tomou conta da “escandalosa” classe política brasileira, segundo descreveu o New York Times, em sua edição de ontem.
Publicidade
Mosquito
Temer ficou muito nervoso ao ser perguntado sobre o pacote anticorrupção, assunto que tirou do sério o até então tranquilo Renan Calheiros (PMDB-AL). “Só falo de zika”, respondeu numa solenidade em São Paulo. No interior, zika também é um apelido para problemas.
Publicidade
Sonho, meu
Muitos mandatários latino-americanos invejam o angolano José Eduardo dos Santos. Há 37 anos no poder, disse que sai em 2017, mas vai indicar seu braço direito, o ministro da Defesa, João Lourenço.
Publicidade
Quem não teme...
Quem anda também com a pulga atrás da orelha por conta da Operação Lava Jato é o ex-governador do Distrito Federal, José Agnelo (PT). Foi ele quem autorizou as obras bilionárias do Estádio Nacional Mané Garrincha.
Publicidade
Coincidências
A preocupação tem um motivo concreto: a Andrade Gutierrez foi a responsável pelas obras do estádio para a Copa. A empresa também integrou o consórcio com a Odebrecht para modernizar o Maracanã. As duas empreiteiras, como se sabe, turbinaram o maior esquema de corrupção do Brasil.
Publicidade
Precisão suíça
A Aeronáutica previu que os corpos das vítimas do voo da Chapecoense chegarão às 8 horas na cidade de Chapecó (SC). São três aeronaves C-130 que pousaram ontem em solo colombiano exatamente às 17h36, como previsto.
Publicidade
Campo santo
O padre João Firmino passou um sufoco quando vândalos invadiram a Catedral Metropolitana de Brasília. Além de agredir verbalmente o pároco, quebraram vitrais, subiram na pia batismal e no altar da igreja desenhada por Oscar Niemeyer.
Publicidade
Ponto Final
Do cientista político André César Pereira - todo esse quadro tem como pano de fundo a criseeconômica, que não dá sinais de recuar. O Natal de 2016 será triste para milhões de famílias, que empobrecem a olhos vistos.