Coluna Esplanada: Temer diz a aliados que impopularidade é apenas um detalhe

Na base há sinais, no entanto, de descontentamento explícito

Por O Dia

Brasília - O presidente Michel Temer resolveu reagir às criticas e tem mandado recados aos aliados de que a impopularidade é apenas um detalhe. A retomada da economia seria, sim, sua prioridade.

Na base há sinais, no entanto, de descontentamento explícito. No PSB, o recado é de que o partido não tem um alinhamento automático com o Planalto. “Essa incerteza prejudica o governo”, avalia o ex-governador capixaba Renato Casagrande.

A desconfiança tem contaminado também o mercado, pois a Bolsa de Valores fechou em queda, mesmo após a aprovação da PEC dos gastos públicos - a principal pauta do governo Temer.

Outros motivos

A declaração do senador Ronaldo Caiado (Dem-GO), que pediu a renúncia de Temer, foi interpretado como uma tentativa de assentar sua candidatura à Presidência da República em 2018.

Parte do jogo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Dem-RJ), escalou assessores para dificultar que adversários possam protocolar requerimentos que questionem a reeleição para a presidência da Casa.

Muro baixo

Bombeiros tucanos agem para que a eleição da Liderança na Câmara não acabe numa divisão da bancada. Até o prazo de inscrição de candidatos, que terminaria ontem no final da tarde, foi estendido para hoje. A votação será às 17 horas.

Fim de papo

A jornalista Leda Nagle deu “ponto final” na polêmica sobre o fim de contrato com a EBC para apresentação do “Sem Censura” na TV Brasil. “Chega de lavar roupa suja”. À Coluna comentou que sua relação com a estatal é como “louça quebrada”. E emenda a um questionamento sobre retorno: “Com esta direção não tem clima para volta”.

Carta

Deputado delegado João Campos (PRB-GO) organiza grupo de deputados para ir nesta tarde no Palácio do Planalto. O grupo pretende entregar carta de repúdio contra a Unesco.

Campo santo

Os evangélicos são solidários a Israel que restringiu o acesso de muçulmanos ao Monte do Templo chamado também al-Aqsa our Haram al-Sharif, reverenciado também por judeus.

Pires na mão

O governador do Rio, Luiz Pezão (PMDB), bate o cartão em Brasília toda semana. Vem atrás de dinheiro. Está de olho na aprovação dos projetos da securitização e da dívida pública. “Eu e uma porrada de governadores”, cravou para a Coluna.

Temporada aberta

O fim de contrato da FSB com o Ministério do Esporte, abre a temporada de licitações na área de comunicação social nos ministérios. Na Petrobras, o processo já foi deflagrado.

Corrida do ouro

Os detalhes para a disputa pública estão sendo elaborados e espera-se que em março ocorra a abertura dos envelopes. Somente no Esporte, a conta é de R$ 15 milhões, valor que desperta o interesse das grandes empresas no setor.

Vale tudo

Continua a queda de braço do Centrão para inviabilizar a indicação de um tucano para a Secretaria de Governo. O PSD, Solidariedade, PP e PTB ameaçam continuar a obstrução da admissibilidade da reforma da Previdência na CCJ da Câmara.

Dois coelhos

As declarações do porta-voz do Centrão, deputado Paulinho da Força (SD-SP), põe mais gasolina na polêmica, mas ajudam a pavimentar uma candidatura do grupo à presidência da Câmara, o que mais uma vez contraria interesses palacianos.

Bandeiraço

Toda segunda-feira à noite um grupo de petistas desfralda a bandeira vermelha na frente do Palácio do Planalto. Há quem jure que o grupo está ficando cada vez menor.

Ponto Final

Rodrigo Janot, da PGR, deu início a uma devassa interna para saber quem vazou a delação do ex-diretor da Odebrecht, Cláudio Melo Filho.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil