Coluna Esplanada: Tendência de piora no mercado de trabalho

De acordo com a avaliação do Ipea, esse movimento foi acompanhado de uma queda na taxa de atividade, que pode continuar nos primeiros meses de 2017

Por O Dia

Rio - O desemprego talvez seja o maior desafio do governo para o próximo ano. A crise só não foi maior neste ano, porque quem perdeu o emprego buscou atividades por conta própria, de acordo com a “Análise do Mercado”, elaborado pelo Ipea. A notícia ruim é que nos últimos três meses essa tendência se reverteu, quando se observou uma forte queda dos ocupados por conta-própria. De acordo com a avaliação do Ipea, esse movimento foi acompanhado de uma queda na taxa de atividade, que pode continuar nos primeiros meses de 2017.

Cenário

O Ipea observa que apesar de uma relativa estabilidade da taxa de desemprego, as condições no mercado de trabalho continuaram a se deteriorar.

Menos dinheiro

Outro problema é a queda do rendimento do trabalhador, que parou de cair em 2015, mas nos últimos meses ficou abaixo da média do ano anterior.

Torcida

A equipe econômica aposta alto na liberação das contas inativas do FGTS, na frase do ministro Planejamento Dyogo Oliveira: “Vai melhorar as condições de crédito da economia”.

Um problemão

O Ministério das Cidades espera enfrentar com eficiência a regularização fundiária urbana do Brasil com a Medida Provisória que está no Congresso. Novo marco legal desburocratiza o registro e cria o direito de laje. “Quando os moradores tiverem os documentos em mãos, cada unidade terá uma matrícula própria e o imóvel será valorizado”, acredita o ministro Bruno Araújo.

Mais seguro

Deputado Hugo Mota (PMDB-PB) deve descartar a ideia de tentar voos mais altos na política paraibana. Quer mesmo assegurar a reeleição em 2018.

Desejos

A Liderança do Governo na Câmara vai mudar no próximo ano. Embora a indicação
seja do presidente da República, muita gente aposta no nome de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Meta

Questionado pela Coluna sobre os planos para 2017, o líder do PP na Câmara disse que a prioridade é manter a estabilidade política e retomar o crescimento.

Mais barato

Para fugir do preço alto, o brasileiro trocou o peru e o chester pelo frango na ceia de Natal. A diferença de preço chegou em algumas regiões a 25%.

Outras carnes

O volume de vendas do frango deverá subir quase 4% neste final de ano, já os negócios com peru terão retração. O preço do chester teve elevação média de 27%. No final do ano, o tender deve substituir o pernil de porco, que também está caro.

Mui amigos

O ex-deputado Gastão Vieira (Pros) entrou na estatística dos desempregados na semana passada, ao ser demitido da presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Nomeado em abril, caiu por conta de três conterrâneos, os senadores João Alberto (PMDB), Édison Lobão (PMDB) e Roberto Rocha (PSB).

Custo político

O motivo da queda seria surreal se não tivesse um fundo de verdade. O próprio Gastão disse que os três foram pedir a ele que não entregasse 74 ônibus escolares no Maranhão. O benefício a milhares de estudantes iria ser capitalizado politicamente pelo governador Flávio Dino (PCdoB). Nem os 30 anos de “amizade” com Temer resistiram ao apelo dos senadores.

Cansadinhos

Assessores do Palácio do Planalto voaram cedo na sexta-feira. Anteciparam o feriado natalino. Afinal, o ano não foi dos mais fáceis no centro do poder.

Ponto Final

De Janaína Paschoal: “Não vou cansar de repetir que Dilma mandou bilhões para os países em que Odebrecht foi contratada. A empresa foi paga com nosso dinheiro”.

Últimas de Brasil