Coluna Esplanada: Uma equação para atender a todos

Michel Temer quer unir o útil e o agradável numa negociação que já tomou horas da agenda do presidente da República

Por O Dia

Brasília - Michel Temer quer unir o útil e o agradável numa negociação que já tomou horas da agenda do presidente da República.

Na costura para uma pequena reforma ministerial a ser implementada em fevereiro, está prestes a contentar os tucanos e o pessoal do centrão - especialmente o grupo da bala – num mesmo pacote.

Em nome de um acordo para garantir a reeleição do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), entregará a Secretaria de Governo ao PSDB. O resultado final dessa conversa dependerá dos acontecimentos e do humor do Congresso com o fim do recesso.

Plateia

A recomposição ministerial tem um efeito extra. Mostra um “governo preocupado” com a qualidade dos seus serviços. E dará gás às reformas que vão mexer com o Parlamento e com a opinião pública.

Insistência

O presidente Michel Temer deixou em banho-maria a proposta de criação do Ministério da Segurança. A bancada da bala vai insistir na ideia.

Depois do recesso

O ministério não está previsto no Plano Nacional de Segurança. A proposta vem por um projeto de lei de autoria do deputado Fausto Pinato (PP-SP).

Setor aquecido

O calor fez esquentar as vendas de ventiladores. Na Shoptime, o crescimento foi de 421% entre 1º e 4 de janeiro, No Submarino, as vendas subiram 414% no mesmo período. É uma situação completamente diferente que a registrada em janeiro e fevereiro do ano passado. O verão mais ameno em 2016 frustrou as projeções e os negócios caíram 30%.

Descanso

A bancada da Rede de quatro deputados ainda não definiu em qual candidatura irá votar. Alessandro Molon (RJ) avisa que até o fim do recesso terá um posicionamento.

Cada um por si

No Senado, a Rede deve caminhar sozinho com a candidatura de Randolfe Rodrigues (AP) à sucessão de Renan Calheiros (PMDB-AL). O PT pode ir de Lindberg Farias (RJ) ou Humberto Costa (PE).

Nem tanto

Franco favorito para vencer as eleições no Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) deixou muita gente com a pulga atrás da orelha. Promete fazer diferente de Calheiros.

Data marcada

A eleição para a Mesa Diretora do Senado será realizada no dia 1º de fevereiro, depois das quatro da tarde. Um dia antes da eleição na Câmara.

Mudar tudo

Da série eles já sabiam. Dez dias antes da barbárie no presídio de Manaus, a diretora do escritório Brasil da Human Rights Watch, Maria Laura Canineu, pediu reforma estrutural do sistema penitenciário.

Futuro sombrio

O Ipea identificou uma ligeira melhora na produção de bens de capital em novembro passado e que pode ser um indicador positivo para este ano. A construção civil faz parte deste componente. É o setor que mais emprega mão de obra. Mas para a Fundação Getúlio Vargas, os indicadores de mercado refletem mais uma vez a piora na percepção da situação econômica do país.

Falta de trabalho

O economista Fernando de Holanda Barbosa Filho, em comentário sobre as pesquisas, diz que é cada vez mais difícil conseguir emprego. Ele se baseia na informação de que o “ímpeto de contratações” nos próximos três meses será muito pequeno, principalmente na indústria. Pelo menos é o que indica sondagem feita no setor.

Férias da rede

Presidente nacional do PMDB, o senador Romero Jucá (RR), resolveu dar um tempo no microblog Twitter. Está ausente há 15 dias.

Ponto Final

Do deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA): “Depois de ter sido saqueada nos governos do PT, a Petrobras está em plena recuperação”.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil