Por thiago.antunes

Brasília - Um grupo de credores da Oi comunicou ao mercado, nesta terça-feira, uma objeção ao plano de recuperação apresentado pela companhia telefônica. O grupo é representado pelo banco de investimento Moelis & Company. 

Segundo o grupo, o plano só favorece os acionistas que controlam a companhia e não as partes que têm créditos a receber. Outro questionamento é em relação à falta de clareza das medidas adotadas.

Os credores dizem ainda que as vendas de ativos da Oi, de acordo com o plano, poderiam ser feitas sem análise dos credores e nem do juiz responsável pelo processo de recuperação da empresa.

A objeção ao plano levou o grupo de credores a apoiar a proposta do empresário egípcio Naguib Sawiris para a empresa. O grupo afirma ter o apoio de credores importantes, inclusive bancos representados pela consultoria FTI. A proposta, apresentada em dezembro, inclui injeção de US$ 1,25 bilhão na Oi e conversão de R$ 24,82 bilhões de dívida em 95% do capital da companhia.

Mudança na lei

A mudança na Lei Geral de Telecomunicações, que favoreceria a Oi ao permitir que a empresa tome posse de ativos que deveriam ser devolvidos ao final do período previsto na concessão recebida pela empresa, segue na mesa da ministra Cármen Lúcia, do Supremo, depois que senadores questionaram a forma como o projeto tramitou.

Você pode gostar