Família retorna de viagem e encontra casa com outros moradores

Atual habitante alega que comprou a casa de uma parente por R$160 mil, suposta vendedora nega transação e polícia investiga crime de invasão

Por O Dia

São Paulo - Uma viagem de três meses a São Paulo, por problemas de saúde, vem dando muita dor de cabeça a uma família de Ribeirão Preto, no interior do Estado. O problema é que, ao retornar à residência, nesta semana, os moradores se depararam com outra pessoa habitando o imóvel.

Fernanda Souza, que vivia na casa com a mãe e mais duas pessoas, diz que teve uma surpresa quando a chave não serviu para abrir o portão. Ao verificar o que acontecia, outra pessoa atendeu à porta e disse que havia comprado a residência por R$ 160 mil de uma tia dela. "Foi um susto enorme", contou.

Fernanda Souza diz que família ficou 3 meses fora e%2C quando voltou%2C casa tinha novos moradoresReprodução/EPTV

Já a tia citada no negócio negou a negociação e até mesmo conhecer a pessoa que está na casa.

A família conseguiu entrar na residência com a polícia e viu que móveis, roupas e até um veículo haviam desaparecido. Agora, os proprietários terão de ingressar com uma ação de reintegração de posse na Justiça para ter o imóvel de volta.

O novo morador, Éder Fabri, se nega a sair e mantém a versão de que adquiriu a casa, localizada no Residencial Candido Portinari, há dois anos, mas sem exibir recibo ou documento de compra. Mesmo assim garante que é inocente. "Eu é que fui enganado", sustenta.

A casa fica em Ribeirão Preto%2C município no interior de São Paulo. Atual morador diz que mora há 2 anosReprodução/EPTV

Investigação

A família procurou a Polícia Civil, que registrou o caso como suspeita de invasão de propriedade e furto. A reportagem entrou em contato com o 8º Distrito Policial de Ribeirão Preto, mas a informação é de que o delegado titular está de férias e o substituto não se encontrava no local. Já a família que se diz prejudicada foi ouvida na manhã desta quinta-feira, mas ainda não há uma definição sobre o caso.

Últimas de Brasil