Esplanada: Ex-jogador não lança biografia por causa de onda de terror

Alex, ex-Cruzeiro, Palmeiras e Fenerbahçe, tem dezenas de fãs clubes, virou amigo da família do presidente Recep Edorgan e ganhou até estátua

Por O Dia

Brasília - O ex-jogador de futebol Alexsandro de Souza, 39, o Alex – ex-Cruzeiro, Palmeiras e Fenerbahçe - cancelou o lançamento de sua biografia na Turquia por causa da onda de terrorismo.

O livro, escrito pelo jornalista Marcos Eduardo Neves, está na vitrine das livrarias e tornou-se a maior pré-venda da História da Turquia, com 20 mil exemplares.

O jogador tem dezenas de fãs clubes, virou amigo da família do presidente Recep Edorgan e ganhou até estátua. As passagens das famílias de Alex e Neves estavam compradas para o fim de janeiro, mas o esportista decidiu não arriscar. Seriam dois lançamentos em Istambul, um em Ancara e um na sagrada Izmir.

Reina

Quando lá morava, Alex frequentava a boate Reina. Ela foi invadida por terrorista neste Réveillon, onde matou 39. Aliás, a comemoração pós-lançamento do livro seria na boate.

Segurança

Alex e Marcos Eduardo preferiram não arriscar a segurança das famílias, dos leitores e torcedores. Uma livraria estimava 10 mil pessoas - é alvo fácil para terroristas.

Claque

Não se engane o leitor: 10 mil numa livraria é parte da magnitude do craque. Anos atrás, numa simples visita não anunciada a Ancara, ele foi recebido por 5 mil no aeroporto.

Trumpistas...

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é a primeira vítima das políticas de Donald Trump. Ambos têm perfis semelhantes: durões, sem papas na língua e com convicções fortes nas ideologias. O político carioca teve apenas quatro votos para a presidência da Câmara Federal. Seu PSC já repensa se vale a pena.

...e cristãos

Bolsonaro, espelho brasileiro do Trumpismo, vai mesmo se candidatar a presidente da República em 2018. Não está certo se pelo PSC. Ontem, o presidente do partido, Pr. Everaldo (ex-candidato ao Planalto), articulava com a cúpula da legenda num almoço em Brasília. Mas nada falou de Bolsonaro.

Pragmatismo

O deputado estadual Cabo Júlio (PMDB) deixou a vice-liderança do Governo na ALEMG. Escolheu ficar do lado da classe policial, insatisfeita com a gestão Pimentel.  

Minha vez

O deputado evangélico Sóstenes pediu a Rodrigo Maia a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, dominada pelo PT. A vaga agora é do DEM, seu partido.

Cofre

A Secretaria de Fazenda do Estado do Rio pautou para julgamento, em 1ª e 2ª instâncias administrativas, processos da Refinaria de Manguinhos. O passivo chega a R$ 64 milhões em impostos. A assessoria informou que tentava renegociar e parcelar a dívida.

Golpe!

Com pouca publicidade, o Governo do DF antecipou a cobrança do IPVA e cidadãos foram pegos de surpresa, este mês, ao consultarem os créditos do programa de CPF na nota para desconto. O ‘abate’ se encerrou dia 31 de janeiro. Isso sim é governo golpista.

Fatura...

A guerra interna no PMDB do Senado se intensificou após a eleição de Eunício Oliveira (CE) à presidência da Casa. O pomo da discórdia é a presidência da CCJ, a mais importante. Um dos cotados, o senador Raimundo Lira (PB), afirma que tratou do assunto com o então presidente Renan Calheiros (AL), há três meses.

...e ‘estelionato’

“Faço as coisas com muita antecedência. Falei com Renan, numa reunião que Eunício estava presente, que pretendia a CCJ”, relata o senador, em desabafo. Apesar do reclame, o PMDB articula para emplacar o senador Edson Lobão (MA).

Índio e Botafogo

Ivan Valente (PSOL-SP) resume com deboche as eleições na Câmara e Senado. “Aqui, foi eleito o ‘Botafogo” e lá (no Senado), o ‘Índio’. É a tempestade perfeita”, ironizou sobre os supostos apelidos de Maia e Eunício, respectivamente, na lista de Odebrecht.

Ponto Final

“O PSDB é bom em retirar direitos, privatizar as empresas nacionais, quebrar a proteção social e dar privilégios à elite”.

Do ex-ministro petista Carlos Gabas, afastado do INSS sob acusação de ter privilegiado a ex-presidente Dilma Rousseff.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil