Chinelo dá prejuízo para juiz no Paraná

Magistrado adiou sessão pois lavrador não usava sapato

Por O Dia

Curitiba - A Justiça Federal, em Paranaguá (PR), condenou o juiz da 21ª Vara Trabalhista de Curitiba, Bento Luiz de Azambuja Moreira, a ressarcir a União em R$ 12,4 mil por ter adiado uma audiência pelo fato de o lavrador Joanir Pereira estar calçando chinelos.

Na sessão, ocorrida em 2007, o então titular da 3ª Vara do Trabalho de Cascavel disse que não realizaria a audiência porque “o reclamante compareceu em Juízo trajando chinelo de dedos, calçado incompatível com a dignidade do Poder Judiciário”.

A atitude foi repudiada à época. A Ordem dos Advogados do Paraná disse que o caso deveria entrar para o “registro das aberrações jurídicas”.

Moreira ainda pediu desculpas ao trabalhador na audiência seguinte, na qual levou um par de sapatos para presenteá-lo, que foi prontamente rejeitado. Joanir Pereira optou por mover ação contra a União, e recebeu R$ 10 mil por danos morais.

A Advocacia-Geral da União então moveu ação contra o Bento Luiz Moreira para que ele fosse obrigado a ressarcir os cofres públicos pela despesa. A 1ª Vara Federal de Paranaguá (PR) condenou o juiz, alegando que era previsível que o ato ofenderia o lavrador, “pessoa de poucos recursos financeiros que não pretendia ofender a “dignidade do Poder Judiciário”.

Últimas de Brasil