Esplanada: MP e PF criaram discreta força-tarefa para consolidar operação

Os investigadores acreditam que a partir de agora a turma vai abrir o bico e será um festival de delações premiadas e entregação-geral

Por O Dia

Rio - O Ministério Público e a Polícia Federal no Rio criaram discreta força-tarefa para consolidar a operação Quinto do Ouro, que levou para a cadeia cinco dos sete conselheiros do TCE e em condução coercitiva o presidente da Assembleia, Jorge Picciani.

Os investigadores acreditam que a partir de agora a turma vai abrir o bico e será um festival de delações premiadas e entregação-geral, porque os conselheiros foram, em sua maioria, políticos com restrito acesso a potenciais maracutaias.

Vem mais

A operação foi deflagrada dias depois de a repórter Adriana Cruz, do O Dia, revelar que o ex-presidente do TCE Jonas Lopes fez delação e saiu com a família do País.

The ‘Golpe’

Após um francês desastroso, Dilma Roussef vai falar inglês. Passará 14 dias nos EUA em palestras com a tese de que sofreu golpe. Falará na Harvard, Columbia e Princeton.

Artilharia

Amanhã, no círculo militar de Belo Horizonte, haverá palestra sobre a Guerrilha do Caparaó, ministrada por dois oficiais da reserva que participaram dos combates.

Articulador

Além de idealizador do texto que prevê mudanças nas regras de aposentadorias, prestes a ser votada na Câmara Federal, o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, assumiu o papel de articulador político. Nas duas últimas semanas dedicou sua agenda a encontros com caciques e bancadas de partidos aliados no Congresso.

Alerta

Aos parlamentares, Caetano tem repetido o mantra de que “se não fizer a reforma agora, ela terá de ser feita no futuro e com regras mais duras. Vai ter de compensar lá na frente o que não for feito e aí tem de aumentar a dose.”

Fui

O secretário da Previdência, Marcelo Caetano, já pré-comunicou à Brasilprev seu desligamento do Conselho de Administração conforme recomendação da Comissão de Ética da Presidência da República. Os sindicatos pediam sua cabeça.

Abril vermelho

Abril será mês turbulento para o Palácio. A abertura dos inquéritos contra ministros no STF e o iminente julgamento da ação contra a chapa Dilma-Temer no TSE alarmam o Governo. Mas aliados de Temer apostam que ele tem a maioria no plenário da Corte.

Força-tarefa

A ordem do presidente Temer é reforçar a articulação com aliados no Congresso para evitar contaminação na tramitação de projetos de interesse do Planalto.

Vergonha

Dois turistas argentinos foram assassinados no Rio em 30 dias. Nunca houve notícias de brasileiros assassinados por bandidos no Caminito ou bairros nobres de Buenos Aires.

Outra de Tancredo

Certa noite nos anos 80 Tancredo Neves recebeu Lula da Silva, sindicalista falador, à beira da fogueira na fazenda dos Neves em Cláudio (MG). Tancredo profetizou que o barbudo seria presidente um dia, mas que precisava ouvir mais que falar.

Grita popular

Para o deputado Henrique Fontana (PT-RS), o Congresso está na contramão da vontade popular: “OAB, CNBB, juízes trabalhistas e todas as entidades dos trabalhadores criticam a Terceirização. Congresso de costas para a maioria do Brasil”.

Revanchismo

O senador Álvaro Dias (PV-PR) vê como “revanchismo” a retomada do debate do projeto que pune o abuso de autoridade. “Vivemos momento em que a exigência da sociedade é o combate implacável à corrupção. Esse não é o momento para legislarmos sobre abuso de autoridade. Passa ideia de que se pretende intimidar investigadores.

Ponto Final

Percebe-se que a crise é brava para todo lado quando lê-se que até a classuda Jaguar está chamando motoristas para recall.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil