Foragido, padrasto de menino Joaquim é preso na Espanha

Guilherme Raymo Longo chegou a ficar na prisão, mas foi solto pela Justiça ano passado. Ele é acusado de matar a criança, de três anos, em 2013

Por O Dia

Espanha - Um dos criminosos mais procurados do Estado de São Paulo foi preso na manhã desta quinta-feira, 27, na Espanha, pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol). Guilherme Raymo Longo é acusado de matar seu enteado, o menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, em Ribeirão Preto, no interior paulista.

O crime, que aconteceu em novembro de 2013, teve grande repercussão e o padrasto e a mãe da criança chegaram a ser presos. Entretanto, Longo conseguiu, no ano passado, a liberdade provisória e desapareceu.

O pai biológico do menino passou a fazer campanha para localizar o assassino do filho, a ponto de instalar outdoors na região de Ribeirão. Já a Secretaria de Segurança Pública (SSP) oferecia recompensa de até R$ 50 mil a quem desse informações sobre Longo

Guilherme Longo%2C padrasto do menino Joaquim, chegou a ser detido. Depois foi solto e fugiu para Espanha, onde foi preso novamenteReprodução TV Globo

O Ministério Público confirmou a prisão que teria ocorrido em Barcelona, na Espanha. Longo fugiu usando documentos falsos e não resistiu à prisão ao ser abordado. Segundo o promotor Marcos Túlio Nicolino, após a fuga, que durou sete meses, ele teria ficado um tempo escondido na Grande São Paulo.

Depois, ele teria saído do Brasil, via Paraguai, usando documentos falsos e o passaporte de um primo que reside em Florianópolis (SC). Mas investigações apontaram sua fuga para a Espanha. "Fizemos um pedido formal para que seu nome fosse incluído na lista de difusão vermelha da Interpol, e ele passou a ser monitorado na Espanha", contou o promotor.

Ao chegar ao Brasil, Longo será encaminhado ao presídio de Tremembé, no interior paulista, onde deverá aguardar pelo julgamento, ainda sem data definida. Ele estaria na Espanha há poucos dias e ainda procurava um lugar para morar.

Últimas de Brasil