Michel Temer faz ofensiva para evitar desmanche da base

Principais sócios da coalizão governista atenderam a apelos do Planalto e decidiram esperar a decisão do STF para anunciar se rompem ou não com a gestão do presidente

Por O Dia

Brasília - Depois de Michel Temer investir na estratégia de desqualificar o empresário Joesley Batista e pedir ao Supremo Tribunal Federal a suspensão do inquérito contra ele com base na delação do dono da JBS, o presidente e seus principais ministros fizeram neste domingo, 21, um esforço concentrado para evitar o desmanche da base aliada. Principais sócios da coalizão governista, PSDB e DEM atenderam a apelos do Planalto e decidiram esperar a decisão do STF para anunciar se rompem ou não com a gestão Temer.

Michel Temer faz ofensiva para evitar desmanche da baseMarcos Corrêa / PR

O adiamento da reunião marcada no sábado à noite pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que assumiu o comando da legenda, foi desmarcado na manhã deste domingo, com a ajuda do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A defesa de Temer pede a suspensão do inquérito até que seja verificada a integridade do áudio da conversa entre o presidente e Joesley, gravado e entregue pelo empresário à Procuradoria-Geral da República. A Polícia Federal começou a realizar na noite deste domingo a perícia na gravação.

À noite, Temer reuniu pelo menos dez dos 28 ministros e líderes do governo no Congresso, no Palácio da Alvorada, para discutir a crise política. Tasso e o presidente do DEM, Agripino Maia, compareceram. No início da tarde, diante de informações de que o jantar convocado pelo presidente seria esvaziado, seus interlocutores dispararam telefonemas para garantir quórum. Os relatos que têm chegado ao núcleo duro do governo não são otimistas. Há pressão de diretórios estaduais pelo desembarque.

Até o momento, PSB - sexta maior bancada na Câmara, com 35 deputados - e Podemos (antigo PTN) já anunciaram o rompimento com o Planalto. Na ofensiva para conter a saída de parlamentares aliados, o governo também busca manter a agenda de votações no Congresso e indicar que a pauta das reformas, principalmente a trabalhista e a da Previdência, será retomada. Apesar da alta temperatura da crise política, movimentos ligados à esquerda fizeram atos esvaziados neste domingo pelo País. Os protestos nas ruas pela renúncia e eleições diretas não chegaram a ter dimensão que abalasse ainda mais o Planalto.

Últimas de Brasil