Dona dos políticos: JBS doou R$ 300 milhões a candidatos e partidos em 2014

Valores são o auge de um sistema de financiamento que gasta muito para receber 'favores' depois

Por O Dia

Brasília - Responsável pela delação que está levando caciques da política nacional para o abatedouro, a JBS já foi o filé mignon dos doadores de campanha. A maior exportadora de carne bovina do mundo, dona da marca Friboi, doou, oficialmente, mais de R$ 300 milhões a candidatos e partidos nas eleições de 2014, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Dilma Rousseff (PT) foi a candidata a Presidência que recebeu o maior montante de doações da JBS nas eleições de 2014Lula Marques/ Agência PT

“É muito dinheiro, principalmente quando comparado com a segunda colocada”, avalia o cientista político Lier Pires Ferreira, professor do Ibmec/RJ. A diferença é abissal. Depois da JBS quem mais contribuiu com as campanhas foram as construtoras Andrade Gutierrez, com R$ 10.4 milhões, Queiroz Galvão, R$8.8milhões, OAS R$7 milhões e UTC Engenharia, com R$6.8 milhões. “Só o que a JBS doou à campanha da Dilma (R$73,3 milhões), supera a doação de todas as construtoras (R$33.091.449,00)”, destaca o professor.

Segundo Ferreira, as doações registradas no TSE não correspondem à realidade. “Falta a Odebrecht com seu departamento de propinas”. Entre 2008 e 2014, a empreiteira fez pelo menos 645 contribuições ilegais a políticos, no valor de R$ 246 milhões, bem menos do que a JBS declarou em 2014.

O cientista político destaca que está mais do que claro que a JBS doava em busca de vantagens. “É um aliciamento das forças políticas”, lamenta. Segundo ele, o que chama a atenção é que, na delação, a JBS aponta muitas doações de boa vontade.

Aécio Neves foi o segundo que recebeu mais dinheiro da JBSEBC

“Desinteressadamente, mas se lá na frente acontecer algo que necessite a intervenção do parlamentar, ele seria suscetível a atender. Isso mostra o quanto nosso processo político é fisiológico”. 

As doações da JBS para políticos, em 2014, obedeceram a seguinte ordem: R$ 112 milhões para candidatos à presidência, R$ 82 milhões para o governo dos estados e R$ 22 milhões para o Senado Federal. Para candidatos a deputados federais, a JBS distribuiu R$ 53 milhões a 176 parlamentares, segundo pesquisa da FGV. Hoje, pela lei, as doações são limitadas a R$20 milhões por partido.

Marina Silva também recebeu dinheiro da JBSEBC

“Mesmo assim interfere na manifestação livre da vontade do povo”, reclama o professor, salientando que boa parte da verba é utilizado em campanhas de marketing mirabolantes que acabam induzindo o eleitor. “O elemento econômico interfere e ninguém doa se não tiver quiser retorno, seja através de políticas ou concorrências públicas”, resume Ferreira.

Um acordo vantajoso

Eduardo Campos também foi um dos políticos que mais recebeu dinheiro da JBSEBC

O acordo de colaboração premiada entre o Ministério Público Federal e os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo J&F, holding que controla a JBS, é tão escandaloso quanto as revelações dos empresários sobre o mau cheiro dos bastidores da política nacional. O acordo prevê imunidade completa e continuidade no comando das empresas.

Os irmãos Batista não serão denunciados criminalmente e pagarão multa de R$ 220 milhões, bem menos do que doaram, seja declarando ou por baixo dos panos, aos políticos. Apesar de toda a benevolência do MPF com os delatores, os irmãos Batista aproveitaram as tratativas com os procuradores para lucrar. Prevendo a tempestade política e financeira que viriam com as revelações, compraram, às vésperas do vazamento da delação, cerca de US$ 1 bilhão. E, em seguida, venderam cerca de R$ 300 milhões em ações da própria JBS.

No dia em que a fita entre Joesley e o presidente Michel Temer tornou-se pública, as ações da JBS desvalorizaram 10%, perda em torno de R$2,5 bilhões. Durante gestão petista, a JBS tornou-se a maior companhia de proteína animal do mundo. Em 10 anos, o faturamento do grupo passou de R$ 4,3 bilhões para R$ 170 bilhões.

Onde foi parar o dinheiro da JBS

Doações para presidente

- Dilma - R$73.378.042

- Aécio - R$30.440.942

- Marina Silva - R$4.596.728

- Eduardo Campos - R$3.576.056

Doações para governador

- PT - R$ 24.000.399

- PSDB - R$ 19.535.601

- PMDB - R$ 19.285.383

- PSD - R$ 11.328.739

- PSB - R$ 3.175.832

Últimas de Brasil