Defesa de Temer diz que Janot age com 'nítido viés político'

Antônio Cláudio Mariz acusa procurador-geral da República criticou declaração de Loures agia a mando do presidente

Por O Dia

Brasília - O criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira declarou neste sábado, que o procurador-geral da República Rodrigo Janot age movido por "nítido viés politico". Mariz ficou indignado com afirmação do chefe do Ministério Público Federal de que o ex-deputado e ex-assessor do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, é "um verdadeiro longa manus de Temer", ou seja, executor de crime ordenado pelo presidente.

"Dizer que o Sr. Rocha Loures é longa manus do presidente constitui mais uma assertiva do procurador-geral desprovida de qualquer apoio nos fatos e, portanto, é uma afirmação fruto do seu desejo de pura e simplesmente acusar o presidente da República dentro de um quadro meramente ficcional", declarou Mariz.

Na avaliação de Mariz, o procurador-geral ‘tenta impressionar a opinião pública com uma afirmação que apresenta-se não como uma declaração jurídica, mas com nítido viés político’.

Segundo o defensor do presidente, Janot não poderia proceder assim "porque o procurador é o fiscal do cumprimento da lei que tem o compromisso com a verdade dos fatos e com o ideal da Justiça".

Últimas de Brasil