Coluna Esplanada: a transição na PF

Diretor geral prestes a deixar o cargo defende o fim do cargo de escrivão e cobra novas delegacias especializadas

Por O Dia

Brasília - O diretor geral da Polícia Federal, Delegado Leandro Daiello, iniciou os trâmites para a saída do cargo e a transição com uma lista de condicionantes para o Governo. Entre outros pontos, defende o fim do cargo de escrivão com a implantação do inquérito eletrônico (escrivães se unirão aos agentes na carreira); e cobra novas delegacias especializadas.

Nos bastidores, articula para o delegado Luiz Pontel assumir o comando da PF. Ex-chefe em Presidente Prudente, Pontel é diretor de Gestão de Pessoal da corporação em Brasília e toca a transição com Daiello. A PF não quis se pronunciar.

Sinais

Ontem vazou o primeiro sinal da troca do comando. A PF vai extinguir a força-tarefa dos delegados da Lava Jato em Curitiba. Serão distribuídos pelo País em delegacias.

PF & MP

Não é o fim da Lava Jato. Mas enfraquece a polícia a extinção da força-tarefa. Porém o MP Federal segue fortalecido em Curitiba e protagonista da operação.

Contra reformas

Amigo próximo de Michel Temer e peemedebista histórico, Antonio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros, pulou da nau. Vai se filiar ao PDT.

O Consórcio

O DEM e o PSDB se uniram para derrubar o presidente Michel Temer. O movimento começou nas hostes, chegou às cúpulas e provoca o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sucessor natural. Há um consórcio em formação para criar a República do Rio. Começa com relatório do deputado Zveiter (PMDB) acolhendo a denúncia do PGR.

Script

Zveiter é da família que advoga para a TV Globo há décadas, e da ala do PMDB que nunca foi aliada da paulistana de Temer. Para o PSDB, quanto mais crise em Temer, melhor para Aécio Neves desviar os holofotes de si. E uma vez no Poder ao lado de Maia, Aécio articulará para barrar as pretensões eleitorais de João Dória Jr e Alckmin.

O ex-ministro Gilberto Carvalho (PT) fez várias ligações do telefone do saguão do Aeroporto Santos DumondLeandro Mazzini

Pré-pago

Em tempos de Lava Jato é mais seguro usar orelhão do Aeroporto Santos Dumont (Rio). Antes de embarcar para o Congresso do PT em Brasília no voo 66220 da Avianca, na terça, o ex-ministro Gilberto Carvalho (PT) fez várias ligações do telefone do saguão (foto).

Espólio

O Partido Social da Família, prestes a nascer no TSE, briga pelo número 56 da urna, um dos espólios políticos deixados por Dr. Enéas (do in memoriam PRONA).

Mansinho

O senador Pedro Chaves (PSC-MS), que fala grosso e um dos autores do recurso pela cassação do senador Aécio, votou contra a própria representação no Conselho de Ética.

Dançou

A ministra Cármen Lúcia, do STF, se disse impedida para analisar o processo da coligação de Eduardo Braga (PMDB) pela nova eleição no Amazonas. Braga, como citou a Coluna, chegou a contratar o ex-ministro Sepúlveda Pertence. Em vão.

Filhotes da LJ

O estilo Sérgio Moro de ser e agir criou filhotes pelo Brasil. Surgiram também os linhas-duras e discretíssimos Marcelo Bretas (RJ) e Vallisney Oliveira (DF) – que ontem fez Geddel Lima chorar ao negar-lhe soltura.

Fogo no Mato (Grosso)

Apareceu na PGR em Brasília um delator que vai incendiar o Mato Grosso. É Pedro Nadaf, ex-chefe da Casa Civil e ex-secretário de duas pastas nos Governos de Blairo Maggi e Silval Barbosa. De início, já entregou Blairo – que se diz tranquilo.

Pró-empregos

Expoentes do mercado se movimentam. A turma da engenharia promove evento hoje no Rio para criar parcerias entre países de língua portuguesa para aquecer o setor.

Saúde & trabalho

O Procurador-chefe do MP do Trabalho, Fábio Vilella, participa do II Congresso Latino-Americano de Saúde e Segurança Ocupacional e Ambiental, no Clube de Engenharia, evento presidido por Evaldo Valladão, especialista no setor.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil