Jato d’água acorda morador de rua em SP

Frio de 7,9º C causa pelo menos uma morte

Por O Dia

São Paulo - A Prefeitura de São Paulo inaugurou nesta quarta um abrigo emergencial de inverno para moradores de rua. O espaço terá 460 vagas — 400 para homens e outras 60 para mulheres e funcionará por 40 dias em um espaço no Canindé, na Zona Norte.

Na terça-feira, um homem de cerca de 45 anos, não identificado, foi encontrado morto no bairro de Pinheiros, no final da tarde mais fria do ano na cidade.

Região da Sé concentra parte dos 20 mil moradores de rua de São Paulo Rovena Rosa / ABr

No final da madrugada, a temperatura na capital paulista caiu a a 7,9º. Apesar disso, moradores de rua da Praça da Sé disseram que empresas contratadas pela Prefeitura para a limpeza da área acordaram as pessoas que dormiam na praça com jatos d'água, segundo informações da rádio CBN. Os cobertores dos moradores de rua, muitos deles doados pela própria prefeitura, ficaram molhados, contaram as vítimas.

Em nota, a prefeitura lamentou a morte do morador e disse que aguarda o laudo técnico do IML sobre a causa da morte. Informou ainda que mesmo com a ampliação de vagas para acolher os moradores de rua, a capacidade é insuficiente para todos os necessitados, pois pode oferecer apenas 11,8 mil vagas.

A população de rua de São Paulo vem aumentando nos últimos anos e é estimada hoje em 20 mil pessoas. No Rio, são cerca de 15 mil pessoas. 

Últimas de Brasil