Presidente da OAB fala em apresentar novo pedido de impeachment contra Temer

Pedido feito sobre as gravações de Joesley Batista ainda não foram apreciadas pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Por O Dia

Rio -Grande do Sul - A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai insistir na abertura do processo de impeachment do presidente Michel Temer mesmo que a denúncia apresentada contra ele pela Procuradoria-Geral da República (PGR) com base na delação da JBS seja barrada pela Câmara, na votação marcada para o dia 2. "São duas coisas independentes", disse o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, na noite desta terça-feira, na cerimônia de posse da nova diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), em Porto Alegre. "Dependendo do que ainda surja (contra Temer), a Ordem ainda poderá aditar o processo ou promover um novo pedido, com base em novos elementos "

Presidente da OAB, Claudio Lamachia afirma que Ordem pode protocolar ou aditar pedido de impeachmentDivulgação

A OAB protocolou um pedido de impeachment contra Temer no dia 25 de maio, oito dias após a revelação das gravações feitas pelo empresário Joesley Batista, da JBS, no âmbito de um acordo de delação com a PGR. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), ainda não tomou decisão sobre o pedido da OAB e sobre diversos outros que já foram apresentados desde então.

Mesmo que a denúncia da PGR seja derrubada no plenário da Câmara, Maia terá de "cumprir seu papel" de apreciar o pedido de impeachment apresentado pela OAB, "independentemente das denúncias que venham a ser apresentadas pelo Ministério Público Federal", disse Lamachia. "(Em caso de arquivamento da denúncia), nós vamos cobrar com a mesma ênfase que o presidente da Câmara se pronuncie sobre o outro processo, que é o impeachment."

Na segunda-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que "não tem pressa" em apresentar uma nova acusação ao presidente no caso JBS. Temer foi denunciado pelo procurador-geral ao STF pelo crime de corrupção passiva, com base nas delações da empresa.

Últimas de Brasil