Temer diz que seu governo toma medidas 'rigorosas, mas necessárias'

Ele afirma ainda que "o governo não mente para o povo brasileiro"

Por O Dia

Brasília - O presidente Michel Temer afirmou, nesta quinta-feira, que muitas vezes, o governo toma medidas rigorosas, mas que são necessárias para o equilíbrio das contas públicas do país. Segundo o presidente, seu governo não adota medidas populistas, que rendem aplausos imediatos, mas no futuro causam prejuízos ao país.

Presidente Michel TemerAFP

“Falei em diálogo, de um lado, e responsabilidade fiscal, de outro lado, e hoje, da responsabilidade social. A cada dia, nós praticamos um ato. Ora da responsabilidade fiscal, ou seja, o governo não mente para o povo brasileiro, faz, muitas vezes, toma medidas rigorosas, mas indispensáveis para a higidez das finanças públicas do nosso país”, disse o presidente, em discurso na cerimônia na qual foram divulgados dados sobre a distribuição dos resultados do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Durante o discurso, ao lado dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, o presidente falou sobre economia e disse que a inflação está “caindo sensivelmente”. Temer também citou as recentes quedas na taxa básica de juros (Selic) e disse que a indicação é de que o indicador esteja caminhando para chegar ao fim do ano a 7,5%. Atualmente a Selic está em 9,25% ao ano.

Na cerimônia desta tarde, a Caixa Econômica Federal anunciou que, até o final de agosto, vai depositar R$ 7,8 bilhões nas contas do FGTS de 88 milhões de trabalhadores, como distribuição dos resultados do fundo. Em média, serão creditados R$ 29,62 em cada conta.

Com isso, a rentabilidade das 245,7 milhões de contas chegará a 7,14%. De acordo com a Caixa, o lucro líquido do FGTS no ano passado foi de R$ 14,555 bilhões.

Últimas de Brasil