Menina de 2 anos entra em penitenciária com baterias no intestino

Os objetos seriam entregues ao companheiro da mãe da criança que está detido na carceragem, que fica no interior de São Paulo

Por O Dia

São Paulo - Uma menina de 2 anos foi flagrada com três baterias cilíndricas em seu intestino quando tentava entrar, acompanhada pela mãe, na visita a um detento na Penitenciária de Junqueirópolis, interior de São Paulo. A criança foi barrada quando passava pelo detector de metais.

Exames de raio-X apontaram os objetos no interior do corpo. A abordagem aconteceu no domingo, mas o caso foi apresentado à Polícia Civil nesta terça-feira. O delegado Victor Biroli vai investigar a participação da mãe ou outros responsáveis pela criança no caso.

Objetos seriam destinados ao pai da menina que está preso no localDivulgação

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), a mãe já havia passado pela revista e esperava a liberação da filha, quando o alarme do detector de metais disparou. Como ela não portava nenhum objeto metálico, os agentes fizeram indagações à mãe, que não soube explicar o fato. Com autorização da mulher, a criança foi levada para exame de raios-X no Pronto Atendimento Municipal. As imagens mostraram claramente as peças metálicas no intestino da garotinha. Logo depois a menina foi ao banheiro e evacuou as baterias cilíndricas, com oito milímetros de diâmetro.

A SAP apurou que os objetos seriam entregues ao companheiro da mãe da criança que está preso na penitenciária. A mãe alegou que nada sabia sobre o acontecido, mesmo assim teve o direito às visitas suspenso temporariamente. De acordo com a Secretaria, o sentenciado envolvido foi encaminhado ao pavilhão disciplinar da unidade, como determina a legislação. Eventual cumplicidade dele com o caso será investigada. A Polícia Civil também vai apurar se a mãe induziu a filha a engolir as baterias, caso em que será indiciada por maus tratos e por submeter a criança a risco.

Outro caso

A companheira de um dos presos tentou entrar no Centro de Detenção Provisória (CDP) II de Guarulhos, sábado, levando um chip de celular preso à mão do filho de dois anos. A mulher passava pelo portal detector de metais com a criança no colo, quando o alarme disparou. Os agentes constaram que a criança estava com a mão fechada e tinha o chip fixado na palma. A mulher foi excluída do rol de visitas e levada à delegacia da Polícia Civil. Um procedimento disciplinar apura eventual cumplicidade do preso que receberia o objeto.

Últimas de Brasil